Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Divulgação
Divulgação

Entre as atividades, os estrelados Michelin

Na última edição, guia foi mais que generoso com restaurantes da estação. Para ir a todos, é preciso se programar

Otávio Dias / COURCHEVEL,

11 de fevereiro de 2011 | 08h00

Que tal a experiência de jantar na cozinha de um restaurante francês com duas estrelas Michelin? O Chabichou, localizado em um amplo chalé de madeira no coração de Courchevel 1850, tem uma mesa de onde se pode observar os chefs Michel Rochedy e Stéphane Buron em ação. "Entre as nossas especialidades estão os peixes, que chegam aos Alpes um dia após serem colocados à venda nos mercados da Bretanha (costa oeste)", diz Rochedy, enquanto se reveza entre fornos e fogões.

 

O mais recente Guia Michelin, aliás, lança uma chuva de estrelas sobre a cena gastronômica de Courchevel, que desponta como a mais premiada entre as estações de esqui dos dois lados do Atlântico. Pierre Gagnaire por Les Airelles e Le 1947 já entraram para a lista diretamente com duas estrelas; Il Vino e L’Azimut estrearam com uma. Completam a lista Le Bateau Ivre (duas estrelas) e La Table du Kilimandjaro (uma).

 

Enquanto o Chabichou prima por uma gastronomia mais tradicional, o 1947, no Hotel Le Cheval Blanc, tem cardápio mais contemporâneo, com técnicas de gastronomia molecular.

 

No almoço, o restaurante, uma sala moderna cercada de grandes painéis de vidro com vista para as pistas de esqui, sugere uma sequência de pequenos pratos com texturas e combinações inusitadas e visual caprichado. Entre os destaques, a emulsão de cogumelos selvagens com trufas negras, pequenos bifes cobertos com foie gras e docinhos de coco ralado e chocolate amargo com folhas de ouro.

 

Tudo acompanhado de bons vinhos e, para finalizar, uma taça de Génépie, digestivo feito com uma erva que só nasce a mais de 2.300 metros de altitude. Dá para continuar esquiando depois? O jeito foi voltar ao centro de Courchevel 1850 numa charrete puxada por cavalos brancos.

 

Para jantar, faça reserva no restaurante do Hotel Le Strato, capitaneado pelo chef Sylvestre Wahid, que no resto do ano toca a cozinha do L’Ostau de Baumanière, na Provence. Ou garanta fondue e raclete no aconchegante Le Coin Savoyard, no Hotel Les Airelles.

 

 

Bastidores

Direto da cozinha

Chefs em ação no Chabichou. Para ir além da observação e colocar a mão na massa, invista em uma aula no restaurante, com duas horas e meia de duração. É preciso reservar.

Tudo o que sabemos sobre:
viagemCourchevel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.