Entre sorrisos e lágrimas, Guga se despede do tênis na França

Sempre sorridente e ainda capazde golpes mágicos, Gustavo Kuerten deu seu adeus ao tênis e aopúblico parisiense neste domingo na quadra central de RolandGarros. O brasileiro foi saudado na arena francesa onde seconsagrou três vezes, em 1997, 2000 e 2001, depois da derrotaem parciais de 6-3, 6-4 e 6-2 diante do francês Paul-HenriMathieu depois de uma disputa cujo final já era previsto. A entrada de Guga, que conquistou o coração do públicodesde sua primeira vitória em Paris, foi saudada por uma ovaçãode pé digna do campeão que ele foi antes que um problemarecorrente no quadril o arrastasse ao fundo do ranking. Mathieu não teve que exigir muito de seu talento para seimpor, mas isso não era mesmo o principal. O essencial era a alegria verdadeiramente incomensurávelque o brasileiro demonstrava na quadra, na qual jamais abriumão de seu sorriso. A emoção o dominou no final do confronto. Guga, com o rostocoberto por uma toalha, não conseguiu mais segurar as lágrimas. Depois de ter recebido um último abraço de Mathieu e umtroféu de lembrança --um pedaço da quadra envidraçado-- dasmãos de Christian Bimes, presidente da Confederação Francesa,Guga se dirigiu ao público em francês. "Muito obrigado. Eu sempre estarei aqui. Aqui está minhavida, minha paixão, meu amor", disse ele. "É uma alegria que minha família, meu treinador estejamaqui comigo. Estou muito, muito contente de ter vencido aquitrês vezes, mas o amor de vocês é o mais importante." Uma última ovação do público e Gustavo Kuerten deixou aquadra que fez dele um rei.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.