ENTREVISTA-Mangabeira quer desenvolvimento para salvar Amazônia

A melhor forma de preservar aAmazônia é desenvolver a região e levar alternativas econômicasviáveis para seus milhões de habitantes, disse na sexta-feira oministro de Assuntos Estratégicos do governo Lula, RobertoMangabeira Unger. Mangabeira, ex-professor de Direito em Harvard, encarregadode coordenar o plano de desenvolvimento sustentável daAmazônia, disse também que nenhum país estrangeiro dará sermõesao Brasil sobre como conservar a floresta. "Ficamos abismados com aqueles que nos repreendem, que nosalertam, já que vemos países mundo afora que ficam falando doalto de uma cátedra depois de terem devastado suas própriasflorestas", disse ele por telefone. "A Amazônia não é só uma coleção de árvores. É também, eacima de tudo, um grupo de pessoas", acrescentou, lembrando que27 milhões dos 185 milhões de brasileiros vivem na região. "Se essa gente não tiver oportunidades econômicas, oresultado prático será uma atividade econômica desorganizada, eatividade econômica desorganizada levará implacavelmente aodesmatamento. A única forma de preservar a Amazônia é ajudandoa desenvolvê-la." O fato de Mangabeira Unger ter sido escolhido pelopresidente Luiz Inácio Lula da Silva para coordenar o PlanoAmazônia Sustentável (PAS) foi visto como um dos principaismotivos que levaram a ministra Marina Silva (Meio Ambiente) apedir demissão, nesta semana. Mangabeira, que há três anos qualificou o governo Lula como"o mais corrupto da história do Brasil", disse que o presidenteagiu certo ao lhe confiar a tarefa. "Quem acha natural que o desenvolvimento da Amazônia sejaassumido por um Ministério do Meio Ambiente simplesmente nãoentende que a Amazônia é mais do que uma floresta", disse ele. "Um Ministério de Meio Ambiente carece dos instrumentospara lidar com todos os muitos problemas de transporte,energia, educação e indústria que são necessários para formulare implementar um programa abrangente de desenvolvimento." O ministro, que passou a maior parte da vida nos EUA,sempre foi mais conhecido por suas propostas econômicas dealternativa ao neoliberalismo. No debate ambiental, porém, é umnovato. Na quinta-feira, o ex-governador do Acre Jorge Viana, doPT, disse a uma rádio: "Respeito o professor Mangabeira Unger,é um professor de Harvard, o professor dos professores. Masquando se trata de Amazônia, acho que ele é um aluno". O novo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, haviasugerido o nome do próprio Viana para a coordenação do planoamazônico. Em breve, Mangabeira pretende embarcar para a Amazônia,onde vai definir as estratégicas de desenvolvimento com osgovernadores da região. "A Amazônia é a fronteira, não só da geografia, mas daimaginação. É o nosso grande laboratório nacional. É o espaçoem que podemos melhor repensar e reorganizar o país inteiro, edefinir este novo modelo de desenvolvimento."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.