Envolvido na morte de Eliza Samudio é julgado por outro crime em MG

Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, começou a ser julgado pelo assassinato de um carcereiro ocorrido em 2000

Marcelo Portela - Agência Estado,

05 de novembro de 2012 | 19h13

BELO HORIZONTE - A Justiça mineira começou a julgar nesta segunda-feira, 5, o ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, por um homicídio ocorrido há 12 anos. Além desse assassinato, Bola deve voltar a se sentar na frente do júri popular em duas semanas, pois é acusado de matar Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno Fernandes, também acusado do crime junto com seu ex-braço direito Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão.

Nesta segunda, o ex-policial começou a ser julgado pelo assassinato do carcereiro Rogério Martins Novelo, morto em 2000, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. Ele foi reconhecido por uma irmã da vítima, que testemunhou o assassinato, por meio de imagens divulgadas após ser preso acusado de envolvimento na morte de Eliza. Durante a manhã, o advogado de Bola, Fernando Costa Oliveira Magalhães, chegou a pedir o adiamento da sessão, sob a alegação de que não teve acesso a documentos juntados ao processo pelo Ministério Público Estadual (MPE).

Porém, a juíza Marixa Fabiane Rodrigues - que também deve ser encarregada do julgamento de Bruno - negou o pedido com a justificativa de que os documentos foram anexados ao processo no prazo legal para que a defesa pudesse ter acesso a eles. Com isso, o julgamento foi retomado de tarde, para leitura de peças processuais e oitiva de testemunhas de acusação e defesa.

O julgamento já havia sido marcado para 24 de outubro, mas foi adiado porque Fernando Magalhães não estava presente à sessão. Ele alegou que viajou para Mato Grosso para ouvir uma testemunha no caso do desaparecimento de Eliza, que não ocorreu pela ausência da testemunha. O MPE afirmou que o advogado sabia que não haveria a audiência e que a viagem foi uma manobra para adiar o julgamento. A juíza concordou e aplicou multa de 30 salários mínimos ao advogado. Até o início da noite desta segunda, o julgamento ainda estava em andamento.

Eliza Samudio. Bola deverá enfrentar novamente o júri popular, junto com Bruno e Macarrão, a partir do próximo dia 19, quando está previsto o início do julgamento sobre o desaparecimento e morte de Eliza. Um primo do goleiro, Sérgio Rosa Sales, também era acusado de participar do assassinato da ex-amante do atleta, mas foi assassinado em agosto, segundo a Polícia Civil por motivo passional. Além deles, serão julgados ainda outra ex-namorada do jogador, Fernanda Gomes de Castro, processada pelo sequestro e cárcere privado de Eliza e do filho que ela teve com Bruno, a ex-mulher do goleiro, Dayanne Rodrigues do Carmo Souza, Elenílson Vitor da Silva e Wemerson Marques de Souza, o Coxinha, estes últimos acusados do sequestro e cárcere privado do filho de Bruno com Eliza.

Tudo o que sabemos sobre:
caso BrunojulgamentoBola

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.