Equador 'deplora' reação do Brasil na crise com Odebrecht

Governo emite nota em que lamenta decisão do Brasil de suspender visita de ministro.

Claudia Jardim, BBC

11 de outubro de 2008 | 16h24

Em um comunicado divulgado neste sábado, o governo do Equador disse que "deplora" a reação do governo brasileiro de adiar a visita de uma missão especial a Quito, em resposta à expulsão da construtora Odebrecht do país andino.A mensagem diz que o governo "deplora que esta decisão tenha sido adotada em relação à situação entre o Estado equatoriano e uma empresa construtora privada deste país (Brasil)". Na quinta-feira o governo de Rafael Correa rejeitou um acordo proposto pela Odebrecht, confirmando a expulsão da empreiteira do país. A empresa foi acusada pelo governo de cometer irregularidades na construção da usina hidrelétrica San Francisco, que teve de ser fechada depois de um ano de uso. A medida também cancela a construção de quatro projetos que estavam sob responsabilidade da construtora, cujos contratos totalizavam US$ 650 milhões. A resposta do governo brasileiro veio de imediato, com o adiamento da visita do ministro de Transportes, Alfredo Nascimento, prevista para o dia 15, na qual seriam discutidos temas ligados a obras de infra-estrutura viária. CorredorNa nota, o governo equatoriano afirma que, durante a reunião realizada entre os presidentes do Brasil, Bolívia, Equador e Venezuela no final de setembro, em Manaus, eles concordaram em realizar um encontro de ministros de Transporte desses países. Neste encontro, os ministros teriam como missão "avançar no propósito comum (...) de promover ativamente a integração regional (...), especialmente a infra-estrutura relativa ao 'Eixo Multimodal Interoceânico Manta-Manaus'", diz o comunicado. Ainda em fase de negociações, o Eixo Multimodal prevê a criação de um corredor rodofluvial entre Manaus e o porto de equatoriano de Manta, no Oceano Pacífico, podendo passar também pela Bolívia, Peru e Venezuela. Trata-se de um projeto que daria ao Brasil uma saída comercial no Pacífico, mas que pode estar ameaçado devido à tensão entre os governos equatoriano e brasileiro.PetrobrasNo comunicado, o governo do Equador amenizou o tom com em relação à Petrobras, que havia sido ameaçada há uma semana de ser expulsa do país caso a empresa não assinasse "o mais rápido possível" a renegociação dos contratos de exploração petrolífera. As novas regras prevêem que o país arrecade todo o lucro obtido com a extração, em troca do pagamento dos custos de produção e uma margem de lucro às companhias estrangeiras.Atualmente, o Equador fica com 18% do lucro obtido com o petróleo.O governo Correa afirma na mensagem que "ratifica sua complacência pela disposição da empresa Petrobras de renegociar seu contrato com o Estado equatoriano e de se alinhar à política governamental de elevar a produção do (petróleo) cru". O governo também diz "desejar" que a empresa continue operando no país. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
equadorbrasilodebrechtrafael correa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.