Equador quer indenização para não explorar petróleo

O Equador quer US$ 350 milhões ao ano, por dez anos, para não realizar perfurações nos campos de Ishpingo-Tiputini-Tambococha, no parque de Yasuni

Agencia Estado

12 de junho de 2007 | 05h23

O presidente do Equador, Rafael Correa, quer que a comunidade internacional pague para que seu país não explore petróleo em uma reserva natural.Correa diz que o Equador quer US$ 350 milhões ao ano, por dez anos, para não realizar perfurações nos campos de Ishpingo-Tiputini-Tambococha, no parque de Yasuni, nas florestas setentrionais do país. A campanha foi lançada na terça-feira, 5, Dia Mundial do Meio Ambiente.A área de floresta, que contém cerca de um bilhão de barris de óleo cru, é uma Reserva de Biosfera da Unesco, conhecida por sua grande variedade de flora e fauna. Alguns ambientalistas dizem que há mais vida vegetal na reserva do que nos EUA e Canadá, juntos.A ministra do Meio Ambiente, Ana Alban, afirma que o país gostaria de receber pelo menos metade da receita que teria se extraísse e vendesse o óleo.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoequadorunesco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.