Equilibrista Nik Wallenda caminha entre arranha-céus de Chicago

O equilibrista Nik Wallenda quebrou dois recordes mundiais no domingo ao realizar duas travessias sobre um cabo esticado entre dois arranha-céus em Chicago, sem rede ou cinto de proteção, sendo a segunda travessia de olhos vendados.

MARY WISNIEWSKI E AGNIESZKA ZIELINSKA, REUTERS

03 Novembro 2014 | 10h18

Para alegria de dezenas de milhares de espectadores que se aglomeraram na ruas abaixo, Wallenda falou com entusiasmo sobre a vista enquanto caminhava sobre o cabo, acima do rio Chicago. Ao se aproximar do fim da caminhada, ele disse: "Deus está no controle".

Para a primeira caminhada no cabo de aço, o equilibrista de 35 anos caminhou o equivalente a duas quadras em direção ascendente, com uma inclinação de cerca de 19 graus, de uma das torres chamadas Marina City para o edifício Burnett, de 50 andares, às margens do rio Chicago.

Essa foi a travessia mais alta entre arranha-céus da história da família de acrobatas Wallenda, e a primeira vez que Nik Wallenda tentou uma travessia em um ângulo tão acentuado. A caminhada quebrou o recorde de inclinação para travessias em cabo em grandes alturas, de acordo com um representante do Guinness entrevistado pelo canal Discovery Channel, responsável pela transmissão do evento.

Na segunda parte da caminhada, Wallenda caminhou vendado entre as duas torres Marina City, quebrando o recorde mundial de travessia em cabo mais alta.

A primeira travessia foi de 138 metros, chegando a uma altura de 206 metros; a segunda foi de 29 metros, a 166 metros de altura.

O bisavô de Wallenda, Karl Wallenda, morreu aos 73 anos ao cair de um cabo em Porto Rico, em 1978.

(Reportagem de Mary Wisniewski e Agnieszka Zielinska em Chicago)

Mais conteúdo sobre:
EUAEQUILIBRISTARECORDE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.