Divulgação
Divulgação

Equipamentos com tema de sexo seguro geram controvérsia em Salvador

Dois equipamentos instalados em Salvador para, em tese, lembrar aos foliões da importância de praticar sexo seguro também durante o carnaval estão causando controvérsia entre moradores e visitantes durante a folia. Um surpreende os turistas logo na chegada à capital baiana: uma camisinha gigante, de quase 15 metros de altura, que "veste" a caixa d''água do aeroporto, ao lado do terminal de passageiros.

TIAGO DÉCIMO, Estadão Conteúdo

15 Fevereiro 2015 | 18h56

A camisinha gigante é parte de uma campanha do Ministério da Saúde para o combate à Aids, incentivando o uso de camisinha e a realização do teste rápido para a detecção do vírus HIV. Na estrutura, está escrito "#Partiu Teste - Eu me previno. Eu me testo. Eu vou tranquilo para o carnaval". Dentro dos banheiros do terminal, foram instalados displays para retirada gratuita de camisinhas.

"A campanha é válida, claro que essa estrutura chama a atenção, dá para ver de longe, mas esse pênis gigante do lado do aeroporto é de muito mau gosto", reclama a publicitária Ana Luísa Ribeiro, de 33 anos, recém-chegada do Rio. Já o estudante mineiro Carlos Eduardo Lourenço, de 22, gostou da peça. "Acho que se conseguiu chamar a atenção, está valendo." Segundo o ministério, a estrutura ficará no local até março.

Já no Circuito Dodô (Barra-Ondina), o que chama a atenção dos foliões um cilindro gigante instalado por uma marca de preservativos em um camarote localizado no fim do circuito. Dentro da estrutura, há uma réplica de quarto de motel, com direito a banheiro, frigobar e, claro, camisinhas. Frequentadores do camarote podem usar a estrutura por alguns minutos, depois de passar por brincadeiras promovidas pela marca no espaço. Quando ocupada, a "cápsula do amor" é içada a 15 metros de altura, propiciando aos ocupantes, por alguns minutos, vista panorâmica da folia, mas quem está fora não consegue enxergar o que se passa dentro.

Além de chamar a atenção, cápsula virou alvo de debates acalorados nas redes sociais. Alguns políticos baianos viram na instalação um incentivo ao turismo sexual e pedem a retirada do equipamento. "Um quarto de motel suspenso no meio do nosso carnaval é uma imagem surreal, que colabora com a ideia de que o carnaval de Salvador é ambiente de turismo sexual", reclama a deputada estadual Fabíola Mansur (PSB), presidente da Comissão de Direitos da Mulher da Assembleia Legislativa. Os foliões, porém, parecem ter aprovado a iniciativa - e o uso da cápsula tem sido frequente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.