Equipamentos de ajuda humanitária ao Nepal se acumulam na alfândega

Representante da ONU critica sistema de alfândega em tempos de socorro às vítimas de terremoto

Reuters

02 de maio de 2015 | 09h46

Equipamentos de ajuda humanitária aos sobreviventes do devastador terremoto no Nepal encontravam-se retidos no único aeroporto internacional do país, devido a gargalos do controle aduaneiro, informou a ONU neste sábado, quando o número de mortos no desastre superava 6.600 pessoas.

O Nepal suspendeu tarifas para a entrada de lonas e tendas de campanha na sexta-feira, mas o representante da ONU Jamie McGoldrick disse à Reuters que o governo deveria afrouxar mais as restrições alfandegárias para aumentar o fluxo de materiais de emergência.

"Eles não deveriam usar metodologia de alfândega de tempos de paz", afirmou.

O material fica retido no aeroporto de Kathmandu, em vez de chegar às vítimas, disse McGoldrick.

Não houve resposta imediata do governo, mas o ministro Ram Sharan Mahat Finanças tinha feito um chamado a doadores internacionais na sexta-feira para o envio de tendas de campanha, lonas e alimentos básicos, dizendo que alguns itens recebidos não tiveram uso.

"Recebemos coisas como atum e maionese. De que servem essas coisas para nós? Precisamos de arroz e cereais, sal e açúcar", disse ele a repórteres.

Aeronaves e militares dos EUA eram esperados em Kathmandu no sábado para ajudar com as operações de socorro.

(Por Frank Jack Daniel e Andrew R. C. Marshall)

Mais conteúdo sobre:
NEPALTERREMOTO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.