Equipe dos EUA desativará complexo nuclear da Coréia do Norte

Técnicos dos Estados Unidos devemcomeçar, no fim desta semana, a desativar o complexo nuclear daCoréia do Norte responsável por fabricar plutônio rico osuficiente para equipar bombas, disse na quinta-feira oprincipal enviado norte-americano para as questões atômicas. A equipe de técnicos dos EUA chegou a Pyongyang naquinta-feira com a missão de supervisionar a desativação de umreator nuclear secreto da era soviética, de uma usina quefabrica combustível nuclear e de uma outra que transformacombustível usado em plutônio. Segundo Christopher Hill, principal enviado dos EUA para asnegociações que envolvem seis países e que tratam do programanuclear da Coréia do Norte, a equipe dispunha de "uma listaespecífica de medidas" e visitará o complexo nuclear nasexta-feira ou no sábado a fim de dar início ao processo dedesativação. "As primeiras medidas concretas de desativação devem seradotadas no fim de semana", afirmou Hill a repórteres. A manobra acontece depois de um acordo histórico firmado emfevereiro e pelo qual a Coréia do Norte, que testou um artefatonuclear no ano passado desafiando a comunidade internacional,aceitou fechar sua usina atômica de Yongbyon e permitir apresença, no país, de monitores da Organização das NaçõesUnidas (ONU) para o setor nuclear. Depois das demoradas negociações envolvendo os seis países(as duas Coréias, os EUA, o Japão, a Rússia e a China), ogoverno norte-coreano concordou com desativar suas principaisinstalações até o final de 2007. Isso significará a paralisação da produção de plutônio porcerca de um ano, afirmaram especialistas em questões deproliferação de armas. Mas as medidas não significam adestruição das instalações. "A desativação é parte do jogo. O que desejamos é passar dadesativação para o desmantelamento e, depois, para o abandonocompleto de todo o plutônio separado", afirmou Hill. A Coréia do Norte também deve divulgar informaçõescompletas sobre suas atividades no setor atômico, incluindo aquantidade de plutônio produzida. Em troca da cooperação, o país receberá 1 milhão detoneladas de petróleo pesado ou o equivalente em ajuda. Os EUAdevem ainda avançar rumo a retirar a Coréia do Norte de sualista de países acusados de patrocinar o terrorismo. (Com reportagem adicional de Jon Herskovitz em Seul) (Por Ian Ransom)

REUTERS

01 de novembro de 2007 | 13h26

Tudo o que sabemos sobre:
COREIANUCLEAR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.