Equipe vai sanear hospital de Sorocaba

Esquema de fraudes derrubou secretário estadual de Esportes e coordenador de Saúde

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

27 Junho 2011 | 00h00

SOROCABA

O interventor do Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS), Luis Claudio Silva, deve nomear hoje uma equipe de administradores e médicos para sanear a unidade. Desde o dia 16, o hospital público está no centro de uma investigação do Ministério Público e da Polícia Civil que apura esquema de fraudes em plantões. Os médicos não apareciam para trabalhar, mas eram pagos.

O interventor já alterou o sistema de plantões. Funcionários controlaram, no fim de semana, os horários dos plantonistas. Silva foi nomeado interventor no dia 20, após prisão do diretor do CHS, Heitor Consani, suspeito de fraude e também de dirigir licitações. As investigações levaram à demissão do secretário estadual de Esportes, Jorge Pagura, e do coordenador de Saúde, Ricardo Tardelli, citados em escutas. Eles negam envolvimento.

O interventor tem até o fim de agosto para apresentar um diagnóstico dos problemas. Já revelou a interlocutores que o hospital está sobrecarregado. O número de pacientes vindos de 48 municípios da região chega a três mil por dia. Silva pretende intervir no setor de marcação de consultas para reduzir a espera e na compra de equipamentos básicos em caráter emergencial.

O diretor da PUC-SP em Sorocaba, Eduardo Martinez, confirmou ter havido reclamações de falta de médicos nos plantões que têm a participação de residentes da universidade. O interventor pretender estabelecer um diálogo com a PUC-SP para corrigir os problemas. Atualmente, a universidade mantém 120 médicos recém-formados atuando em rodízio no conjunto. Outros 200 alunos do 5.º e 6.º anos cursam disciplinas práticas no hospital.

O prefeito de Sorocaba, Vitor Lippi (PSDB), que indicou o ex-diretor, classificou as denúncias envolvendo Consani como "uma surpresa ruim". Também deseja se reunir com o interventor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.