Erros em atestados de óbito chocam argentinos

Autoridades iniciam investigação após duas pessoas terem sido dadas como mortas erroneamente.

Daniel Schweimler, BBC

05 de agosto de 2007 | 11h05

Autoridades argentinas iniciaram uma investigação após duas pessoas - um homem de 71 anos e um bebê prematuro - terem sido erroneamente dadas como mortas por médicos em incidentes separados.A família de Juan Llandor começou a preparar seu enterro após ter sido informada de que ele havia morrido após uma batalha de quatro anos contra um câncer no rim.Seu corpo foi transportado para o necrotério do hospital para ser preparado para o funeral, mas três horas depois um empregado foi ao local para transportar outro corpo e percebeu que ele estava respirando.A família foi chamada outra vez e adiou o funeral."Foi uma situação inacreditável", reclama a filha de Llandor, Ana Maria.Um incidente semelhante ocorreu em uma outra cidade da província de Buenos Aires, onde uma menina nasceu prematuramente.Os médicos tentaram reavivá-la, mas ela foi declarada morta pouco depois e levada para o necrotério. Mas poucas horas depois, ela foi vista chorando. A menina acabou morrendo três dias depois.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.