Escândalo derruba secretário

Em PE, Costa Filho foi acusado de desvio de dinheiro

Christiane Samarco, O Estadao de S.Paulo

04 Janeiro 2010 | 00h00

As emendas ao Orçamento federal para promover "eventos" e "shows" são uma prática nacional entre os parlamentares, mas foi em Pernambuco que a festa com dinheiro público ganhou contornos de escândalo ao provocar a exoneração de um secretário do governo e do presidente da empresa pernambucana que cuida do setor. O secretário de Turismo, deputado estadual Sílvio Costa Filho (PTB), caiu em meio a acusações de superfaturamento de cachês e desvio de verbas de emendas parlamentares destinadas ao pagamento de eventos - alguns espetáculos nem foram realizados.

As denúncias de shows fantasmas pagos com dinheiro público em Pernambuco só aconteceram por conta de uma disputa política local entre aliados e adversários, principalmente tucanos, do governador Eduardo Campos (PSB). A oposição ficou incomodada com o uso das emendas de eventos para cooptar o apoio de prefeitos, bancando shows e festas populares que rendem votos.

As reclamações vieram a público quando o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), e o pai do secretário de Turismo e deputado federal Sílvio Costa (PTB-PE) discutiram em um restaurante do Recife. Guerra queixou-se da "invasão de seus redutos eleitorais" e bateu boca com Costa.

Depois da briga política, prefeitos e vereadores de cinco municípios pernambucanos - Ipubi, Itambé, Palmeirina, Sirinhaém e Araripina - engrossaram as denúncias questionando a realização dos shows.

Irregularidades à parte, a bancada pernambucana de 25 deputados e 3 senadores reservou R$ 61,4 milhões em emendas para eventos e divulgação do turismo e outros R$ 63,5 milhões para a qualificação de profissionais do setor. O recordista em emendas individuais para o setor foi o deputado Sílvio Costa (R$ 11,6 milhões), seguido por Charles Lucena (PTB), com R$ 8,6 milhões. Em terceiro lugar, empatados com R$ 5,8 milhões em emendas para os dois programas, estão Carlos Eduardo Cadoca (PSC) e Fernando Nascimento (PT).

O ex-governador Jarbas Vasconcelos (PMDB) e o senador Marco Maciel (DEM) só apresentaram emendas para obras de infraestrutura turística, no total de R$ 4,5 milhões e R$ 5,1 milhões, respectivamente. O senador Sérgio Guerra apresentou emendas no setor de turismo que somaram R$ 7,9 milhões - R$ 150 mil do total destinaram-se à "promoção de eventos". O restante é para obras de infraestrutura turística.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.