Escritor argentino Ernesto Sabato morre aos 99 anos

O escritor argentino Ernesto Sabato, cujo romance "O Túnel" é considerado um clássico existencialista e que presidiu uma investigação sobre os crimes cometidos pelo governo militar do país, morreu neste sábado aos 99 anos de idade.

KARINA GRAZINA, REUTERS

30 Abril 2011 | 13h59

"A humanidade não pode viver sem heróis, mártires e santos", disse uma vez Sabato, intelectual conhecido como ativista incansável a favor da justiça e dos direitos humanos.

Sua morte foi noticiada pela mídia local.

Sabato escreveu três romances --"O Túnel", publicado em 1948, "Sobre Heróis e Tumbas", publicado em 1961 e "Abaddon, o Exterminador", de 1974.

Conhecido por sua careca, óculos escuros, bigode de escova e camisas de gola aberta, ele era visto como herói por muitos em sua terra natal.

Com o fim do governo militar argentino, Sabato decidiu presidir a Comissão Nacional dos Desaparecidos, que investigou o destino de dezenas de milhares de argentinos desaparecidos nas mãos dos militares --sequestrados, torturados e mortos.

Endeusado pela esquerda política, no entanto, Sabato rejeitava qualquer afiliação partidária.

(Por Stephen Brown)

Mais conteúdo sobre:
SABATOMORTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.