Escritor polonês é condenado por crime que relatou em livro

Crime relatado em livro tinha semelhanças com assassinato cometido em 2000.

Adam Easton, BBC

05 de setembro de 2007 | 07h51

Um escritor polonês foi condenado nesta quarta-feira pelo assassinato de um empresário em 2000, num crime descoberto apenas por causa da publicação de um romance, há quatro anos, no qual ele relatava os detalhes de um assassinato semelhante.A Justiça polonesa decidiu que Krystian Bala matou o empresário Dariusz Janiszewski por acreditar que ele estava tendo um caso com sua mulher.Bala foi condenado a 25 anos de prisão.A polícia polonesa havia passado anos procurando pistas sobre o assassinato até descobrir o livro de Bala, num caso de arte imitando a vida.O corpo de Janiszewski, dono de uma pequena agência de publicidade, foi encontrado por pescadores nas margens do rio Oder, perto da cidade polonesa de Wroclaw, em dezembro de 2000.Ele havia sido torturado, deixado sem alimentos e amarrado de uma maneira que tornava impossível ele nadar.Por anos a polícia de Wroclaw não havia conseguido descobrir a motivação nem tinha suspeitos para o crime.Até que um policial descobriu uma discussão na internet sobre um assassinato em um romance recém-publicado chamado Amok.O livro era o primeiro romance do filósofo Krystian Bala, e continha uma descrição de um assassinato com semelhanças ao de Janiszewski.A polícia então descobriu que Bala havia ligado para a vítima no dia em que ele desapareceu e até mesmo vendeu seu telefone celular em um site de leilões online quatro dias após o crime.A promotoria disse que o autor tinha ciúmes de Janiszewski porque suspeitava que ele mantinha um relacionamento com sua mulher, de quem estava separado.Bala negou o assassinato. Ele insiste que escreveu o romance após ler relatos do crime na mídia.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.