Espaço do leitor

Sobre palmito juçara e embalagens vaziasRecorro ao Agrícola para obter duas informações. Primeiro, gostaria de saber onde encontrar sementes de palmito juçara. Preciso também de informações de lugares que recebam e façam reciclagem de materiais plásticos e vidros de produtos químicos, como cupinicidas, herbicidas, etc.Roberto VernierVinhedo (SP)O leitor pode encontrar mudas - e não sementes - de palmito juçara no Departamento de Sementes e Mudas da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), em Campinas (SP). As mudas estarão disponíveis para retirada apenas no fim de janeiro, mas o leitor pode reservá-las antecipadamente. O telefone do departamento é (0--19) 3743-3831. Quanto à outra questão, o leitor deve, primeiramente, checar no verso da nota fiscal dos produtos. Segundo o Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (Inpev), a indústria de agroquímicos deve informar o consumidor sobre onde e como deve ser feito o descarte da embalagem vazia. O Inpev tem 14 unidades-sede e 31 unidades-posto em São Paulo, que recebem este tipo de embalagem. A mais próxima de Vinhedo fica em Valinhos, na Rodovia Dom Pedro I, km 122. A instituição não fornece o telefone das unidades, mas orienta que, caso a nota fiscal do produto não tenha as informações, o leitor deve entrar em contato pelo tel. (0--11) 3069-4400 e informar ao Inpev, que entrará em contato com a indústria. Quais aves devem ser vacinadasTenho um sítio na região de Piedade (SP) com uma criação de aves, entre gansos, marrecos, patos e galinhas, e li no Agrícola de 17/10 sobre a vacinação de aves. O calendário publicado aplica-se a todas as aves (a maioria de minhas galinhas é caipira)? Além disso, quantos sacos de milho eu gastaria, por mês, para manter o plantel?Francisco CoutinhoPiedade (SP)A criadora Maria Virgínia Franco da Silva, membro da Associação Brasileira de Criadores de Aves de Raças Puras, informa que o calendário de vacinação vale para todos os tipos de aves, sejam elas caipiras, exóticas ou de raça pura. Ela destaca, porém, que as vacinas são válidas apenas para aves domésticas e não para pássaros. Quanto à quantidade de milho necessária para manter o plantel, Maria Virgínia diz que irá variar conforme a proporção do cereal na dieta das aves. Se o leitor fornecer apenas milho, pode calcular de 100 a 120 gramas/cabeça/dia. No entanto, fornecer apenas milho como alimento não é recomendável. "Ideal é dar ração balanceada. Comendo só milho as aves ficarão gordas e pouco produtivas, pois o excesso de gordura impede a fertilização do ovo e compromete a reprodução", explica a criadora. Outras informações podem ser obtidas no site www.abcaves.com.br ou pelo tel. (0--11) 5667-3495. Que tipo de pasto vai bem no ParanáMeus pais moram em um sítio no Paraná, onde, no inverno, faz muito frio. Gostaria de saber que pasto pode ser cultivado no inverno e no verão.Marli DardinSão Paulo (SP)De acordo com a zootecnista Adriana de Souza Martins, pesquisadora em forragicultura do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), o crescimento de uma pastagem está relacionado, entre outros fatores, às condições climáticas. Por isso, há espécies que, embora sejam consideradas perenes (produzem o ano todo), reduzem a produção em determinadas épocas do ano. "As braquiárias são pastagens perenes, mas por causa das baixas temperaturas no inverno paralisam seu crescimento, voltando a produzir quando a temperatura aumenta."Para regiões de clima frio, com geadas freqüentes, Adriana sugere uma pastagem perene resistente ao frio e com capacidade de rebrote logo no início da primavera, mesmo após a ocorrência de geadas. "Pastagens de tifton e hemartria têm esta característica: quando a temperatura mínima está acima de 15 graus, estas forrageiras já iniciam seu ciclo produtivo e podem ser pastejadas." Outra opção é o cultivo de aruana (Panicum maximum), que vem apresentando comportamento semelhante na região dos Campos Gerais, no Paraná, conforme avaliação do Iapar em Ponta Grossa (PR). "O aruana foi mais resistente a geadas e a baixas temperaturas em comparação ao tanzânia. Entretanto, esta forrageira é bastante exigente em adubação." Outra sugestão é o capim festuca (Festuca arudinacea), gramínea perene de clima temperado, de boa produção no outono e inverno, mas com produção menor no verão. O festuca pode também ser usado em regiões de clima frio. A pesquisadora destaca que estas pastagens têm menor valor nutritivo em relação às anuais de inverno, como a aveia e o azevém. "Independentemente da pastagem escolhida, é preciso fazer a correção do solo e a adubação da pastagem de acordo com a análise de solo. Caso contrário, não haverá produção satisfatória mesmo em condições climáticas favoráveis." Tel. (0--42) 3226-2773. AGRADECIMENTOSAgradecemos os votos de Boas Festas que nos foram enviados por: ABCCAppaloosa, Accesso Assessoria de Comunicação, ADS Assessoria de Comunicações, Agência Luz de Fotografia, Agility Marketing & Eventos, Agrobrasil, Agrolink, Agropalma, Agrorede Notícias, Alcon, Apta Regional Vale do Ribeira, Araucária Genética Bovina, ArtCom Assessoria de Comunicação, Arte Infinita, Associação Brasileira das Entidades Estaduais de Assistência Técnica e Extensão Rural (Asbraer), Associação Brasileira de Agribusiness (Abag), Associação Brasileira de Citricultores (Associtrus), Associação Brasileira de Criadores de Aves de Raças Puras, Associação Brasileira dos Criadores de Marchigiana (ABCM), Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat), Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso (Aprosoja), Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos (Aprovale), Associação Nacional de Biossegurança (ANBio), Associação Paulista dos Criadores de Ovinos (Aspaco), Atitude Comunicação, Basf, Câmara Brasil-China de Desenvolvimento Econômico, Cargill Nutrição Animal, CDI Comunicação, CDN Mídia, Centro da Terra Consultoria, Cerealpar, Claudio Schleder Assessoria de Imprensa, Clube do Bonsai, Company Web TI & Negócios, Comunnicare, Credito Suisse Hedging-Griffo, Dall Pizzol, Daniella Sanches Rapello, Darana Comunicação Empresarial, Edison Valvasori (IZ), Edvan Alves Chagas (Centro de Frutas IAC), Emater-MG, Embral Leilões, Embrapa Café, Embrapa Florestas, Embrapa Milho e Sorgo, Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), Ex-libris Comunicação Integrada, Famasul, Foco Marketing, Fundação Mato Grosso, Galeria de Comunicações, Genética Aditiva, Johan Dalgas Frisch, Jornal Entreposto - Ceagesp, Ímã Foto Galeria, Instituto Biológico, Instituto Brasileiro de Frutas (Ibraf), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Instituto Gênesis, Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), Instituto Rio-Grandense do Arroz (Irga), LVBA Comunicação, Madame D?orvilliers Cafés Especiais, Maria Cândida Sampaio, Master Business Communication (MBC), Maxpress, Mecânica de Comunicação, Mercaflor, Monsanto, Nestlé, Ocesp/Sescoop, Odo Primavesi, Oficina da Comunicação, Organics Brasil, Pfizer, Planeta Orgânico, PR Newswire do Brasil, Press Comunicação Empresarial, Primeira Página, Programa Leilões, Publicom Assessoria de Comunicação, Radioweb, Rai Press, Rai Armazéns Integrados, Ralcoh Agência de Comunicação, Rojas Comunicação, Ronan Pereira Machado, RS Press, Sani Química, Sanicitrus, Seguradora Rural Brasileira, Serviço de Informação da Carne (SIC), Sindicato da Indústria do Frio (Sindifrio), Sindicato Rural da Alta Noroeste (Siran), Sindicato Rural de Santa Cruz do Rio Pardo, Uniquímica, Univali, Vera Moreira Comunicação, Verte Editora, Via Pública Comunicação, Vinícola Cordelier, WWF Brasil.

O Estado de S.Paulo

03 de janeiro de 2008 | 18h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.