Espaço do leitor

Canários-do-reino que não têm filhotesMinha canária-do-reino, branca, já chocou três vezes, sendo cinco ovos a cada vez. Nenhum ovo vingou, embora tenham ficado todos no ninho por uns 16 dias. O macho, amarelo-nevado, esteve durante todo o tempo com a canária, em gaiola criadeira, mas acredito que os ovos não foram fertilizados. Qual é o motivo e o que posso fazer?João RochaSão Paulo (SP)Segundo o diretor de Canários de Cor da Federação Ornitológica do Brasil (FOB), João F. Basile da Silva, a falta de fertilização em canários de cor pode ocorrer por vários motivos , e fica difícil determiná-la apenas com base no relato do leitor. No entanto, ele destaca algumas condições que influenciam no sucesso do acasalamento. O macho deve estar saudável e pronto para o acasalamento. "Pronto para acasalar significa estar cantando, estar bem ativo e se movimentando na gaiola e mostrando interesse pela fêmea", explica. O acasalamento em condições diferentes fatalmente resultará em ovos não fertilizados. Silva diz que o problema pode também ser resultado de algum impedimento físico, ocasionado por sujeira ou excesso de penas na região da cloaca, tanto da fêmea como do macho. Por isso, uma limpeza nessa região é aconselhável. Outra possibilidade, ainda que mais difícil de acontecer, é algum tipo de incompatibilidade entre o casal, conforme Silva. "A fêmea pode estar acasalada pelo canto com outro canário que eventualmente esteja nas proximidades." Se os canários do leitor não estiverem apresentando nenhum dos problemas citados, Silva diz que pode se tratar de infertilidade. Nesse caso, diz que a troca do macho é necessária. O diretor da FOB põe-se à disposição do leitor para esclarecer outras dúvidas. E-mail: joaobasile@uol.com.br. Como tirar braquiária do pasto de eqüinosTenho uma chácara em Camanducaia (MG), onde a braquiária predomina. Como tenho eqüinos, gostaria de saber como faço para combater a braquiária e qual o melhor capim para eqüinos.Waldomarrytar@yahoo.com.brSegundo o professor José Nicolau Puoli Filho, responsável pela Área de Produção de Eqüinos da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, da Unesp, câmpus de Botucatu (SP), combater a braquiária - ele presume que o leitor esteja se referindo à Brachiaria decumbens - é tarefa difícil e que custa caro, já que se trata de uma forrageira bastante agressiva e que produz sementes pelo menos quatro vezes por ano. "Por essas características, já dá para imaginar a quantidade de sementes existentes no solo", diz. Além do mais, afirma Puoli Filho, a braquiária é pouquíssimo exigente em termos de fertilidade do solo, o que significa que ela brotará, mesmo em solo pouco fértil. "Para complicar ainda mais, o cavalo dificilmente a pastará." A recomendação do professor para combatê-la é, em primeiro lugar, fazer uma análise de solo e corrigi-lo conforme o resultado da análise. Feito isso, deve-se arar e gradear a terra para plantar um capim palatável aos eqüinos. "Particularmente indico o coast-cross ou o tifton 85, plantados por mudas e que são exigentes quanto à fertilidade do solo", sugere. Puoli Filho destaca, ainda, que é importante instalar o novo capim em todo o terreno e diminuir ao máximo o espaçamento entre as mudas, para dificultar a rebrota da braquiária. "Até aqui, dificilmente a braquiária irá reaparecer. O problema pode acontecer quando os animais começarem a pastar. Como os eqüinos irão comer apenas as forrageiras recém-plantadas, se estas não forem bem manejadas, pode haver rebrota de moitas de braquiária. Se isso acontecer, é necessário combatê-las com o uso de herbicidas ou capinando-as." Área de Produção de Eqüinos da Unesp, tel. (0--14) 3811-7185. Leitora quer comprar marmelosFiquei feliz com a reportagem sobre produção de marmelo (13/2/2008, pág. 3). Fez-me lembrar das marmeladas e compotas que minha avó fazia com os marmelos da fazenda. Há um bom tempo tinha desistido de procurar por esta fruta. Gostaria de saber como posso entrar em contato com produtores, para comprar algumas mudas e também frutos para fazer a compota caseira. Aproveito para enviar uma receita deliciosa de compota de marmelo.Eunice Homem de Mello São José dos Campos ( SP)A leitora pode entrar em contato com o técnico Alexandre Kurachi, da Emater de Minas Gerais, tel. (0--35) 3624-1260 ou (0--35) 3625-1325, pois ele indicará os produtores da fruta. As docerias que vendem marmelada caseira são: Pousada Bela Vista, tel. (0--35) 3635-1241; Restaurante Monte Moriá, tel. (0--35) 3625-1393; Pensão do Zequinha, tel. (0--35) 3625-1214. Eis a receita da compota de marmelo, enviada pela leitora Eunice Homem de Mello: Ingredientes: 1 quilo de marmelos maduros, meio quilo de açúcar, 10 cravos-da-índia, 1 cálice de vinho do Porto (ou similar). Modo de preparar: deixe os cravos de molho no vinho, em uma xícara. Descasque as frutas, colocando-as numa vasilha com água e com o caldo de um limão, para não escurecerem. Parta-as ao meio (ou em quatro), tirando as sementes, com cuidado. Também pode deixá-las inteiras, fazendo um furo no meio para retirar as sementes. Escorra a água e passe os marmelos para um tachinho de cobre ou panela de pressão. Coloque o açúcar sobre as frutas, borrifando o vinho e distribuindo os cravos pelo meio. Deixe em fogo superbrando. Quando começar a soltar água, vire cuidadosamente. "É demorado. Precisa ter paciência", avisa a leitora. Vá pingando água, à medida que precisar, para formar uma calda grossa. Se queimar um pouco, não faz mal, mas cuidado para não queimar demais, pois o doce se perde. Deixe esfriar e coloque em uma compoteira. Contato da leitora, e-mail: eunicehm@estadao.com.br. Uvas: como afastar pássaros e insetosPossuo uma plantação de uva niagara, com produção aproximada de 10 toneladas. Entretanto, a perda de uvas é muito grande, por causa do ataque de pássaros, vespas e abelhas. Gostaria de saber como posso evitar ou diminuir o ataque dos pássaros e insetos. Já me sugeriram o ensacamento das uvas, mas, devido à quantidade de cachos, tal medida é inviável. Existe algum repelente que possa me ajudar?Abimael MendonçaSão Paulo (SP)O produtor Antonio Roberto Losque, de Jundiaí (SP), diz que a solução é telar a área. "Há opções com coberturas móveis, fechadas na época de safra." Segundo ele, os prejuízos causados por pássaros surgem em áreas pequenas de cultivo. Em pomares comerciais, as perdas são diluídas. "Pássaros fazem orifícios nos frutos e o néctar atrai abelhas e outros insetos." Quanto a um repelente, o produtor diz que há um concentrado à base de uva com efeito irritante ao bico de pássaros. "Mas é caro e precisa ser reaplicado se chover." Antonio Losque, tel. (0--11) 9989-5154. Biblioteca quer doação de ?Agrícola?Gostaria de saber se algum leitor poderia nos doar, semanalmente, o Suplemento Agrícola, para ser arquivo e fazer parte da biblioteca comunitária rural de São Manoel, no município de Ipiranga (PR). Nós nos comprometemos a pagar a postagem. Contato, Romaldo Bitencourt, tel. (0--42) 9122-5302.

O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2008 | 02h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.