Espaço dos leitores

NPK e calcário: não é adequado misturá-losGostaria de saber se no adubo NPK (nitrogênio, fósforo e potássio) pode ser misturado o calcário calcítico para plantas frutíferas, como banana, laranja, maracujá e goiaba.Sérgio BarbosaBatatais (SP)Segundo o pesquisador Heitor Cantarella, do Instituto Agronômico (IAC-Apta), essa mistura não é recomendável. "O calcário, usado para corrigir a acidez do solo, deve ser espalhado em toda a área do terreno, concentrando uma parte maior próximo das plantas, onde os adubos promovem uma maior acidificação", diz. "A razão é que a correção da acidez é importante para promover o desenvolvimento radicular e aumentar a eficiência com que as plantas absorvem os nutrientes do solo. Quanto maior o volume de solo com a acidez corrigida, melhor." Além disso, o calcário pode ser aplicado uma vez por ano ou a cada dois anos. Já o NPK deve ser manejado de modo diferente. "O K e o N desses adubos devem ser parcelados em três ou quatro vezes ao ano, pois podem ser levados do solo nas chuvas. O P é pouco arrastado para camadas mais profundas do solo pela chuva e pode ser aplicado de uma só vez ou parcelado junto com o N e o K." O NPK deve ser aplicado na região onde se concentram as raízes, mais próxima das plantas, para facilitar a absorção. Outra razão para não misturar adubo e calcário é a diferença de granulometria. "O calcário é um pó fino e o NPK é geralmente granulado. A mistura é heterogênea o calcário tende a ficar no fundo e o adubo na superfície." IAC, tel. (0--19) 3241-5188. Receita caseira contra cupinsTenho uma receita, utilizada pelos antigos, para eliminar cupins em madeiras de telhado. Ela é à base de querosene, cera e óleo ou gordura usados. Além disso, fumo de corda (que deve ficar de molho na água) e detergente. E também o produto Kothrine. Maria Teresa Vilela RibeiroConceição Aparecida (MG)Segundo o pesquisador do Instituto Biológico (IB-Apta) Marcos Roberto Potenza, o querosene já é usado como uma forma de controle e portanto não se justifica a mistura com fumo, óleo, etc., conforme a receita da leitora. Além do que, segundo Potenza, o querosene não tem efeito residual. Isoladamente, ele é usado como curativo e não como tratamento preventivo contra cupins. É, também, perigoso levar querosene ao fogo, sob risco de explosão. Já o fumo tem sido usado como controle natural de pulgões em hortaliças, o que já não se recomenda mais, por causa da presença da nicotina e alcatrão. A recomendação de juntar um vidro de Kothrine, que na verdade é a marca de um inseticida piretróide de venda livre, indicado para o controle de baratas e outros insetos, não traria efeito no tratamento de madeira pela sua formulação e concentração não serem adequadas para esta finalidade. "Métodos alternativos podem gerar tanto efeitos benéficos como maléficos, mesmo no intuito de soluções caseiras e baratas, devendo prevalecer o bom senso e uma análise da composição e finalidade de uso, para não corrermos riscos desnecessários", diz Potenza. Para obter mais orientações, inclusive sobre alguns métodos acessíveis para prevenir o ataque de brocas, carunchos e cupins, pode-se entrar em contato com o pesquisador por intermédio do e-mail potenza@biologico.sp.gov.br ou tel. (0--11) 5087-1766. Ovinos não comem taboa e casca de arrozSolicito ajuda em relação à alimentação de ovinos. Tenho em minha propriedade um talhão de taboa-do-brejo e gostaria de saber se a planta serve para alimentar os animais. Também gostaria de saber se a casca de arroz, transformada em farelo, pode ser servida aos ovinos. Em caso positivo, qual é a proporção a ser administrada?Francisco BrykSengés (PR)De acordo com o pesquisador-científico Mauro Sartori Bueno, do Instituto de Zootecnia (IZ-Apta), da Secretaria de Agricultura paulista, tanto a taboa-do-brejo como a casca de arroz não são recomendadas para a alimentação de ovinos. O problema da taboa-do-brejo, explica o pesquisador, é que os ovinos não são animais adaptados a locais úmidos, como brejos. "A umidade pode provocar problemas de verminoses e nos cascos dos animais, por isso não é aconselhável." A aceitabilidade da taboa pelos animais também é baixíssima, fala o pesquisador. Além disso, ele destaca um problema etológico em fornecer taboa a ovinos. "É um aspecto comportamental. Ovinos não entram em área onde a altura do capim seja maior do que o animal." Segundo Bueno, a taboa pode ser fornecida a búfalos. Quanto à casca de arroz, além da baixa qualidade nutricional e da má digestibilidade pelo animal, a fibra do resíduo é muito rica em sílica, composto não indicado para o consumo de ovinos. "Em um rebanho de ovinos, a única utilidade da casca de arroz é como cama, em que um substrato seco é colocado para absorver a umidade e a urina dos animais no criatório." Outras palhas, como a de trigo, têm valor nutritivo maior e podem compor, em 10% a 30%, a dieta de ovinos, sugere. IZ, tel. (0--19) 3466-9400. Há várias espécies de ipês no BrasilGostaria de saber quais são as variedades e cores existentes de ipês, onde encontrá-las e informações sobre o seu florescimento.Dirceu Gonzaga do CoutoItaberá (SP)O ipê amarelo do cerrado (Tabebuia chrysotricha), muito usado em paisagismo, tem tronco e ramos tortuosos e floresce de julho a agosto. O ipê amarelo da mata (Tabebuia sarratifolia) é a variedade mais comum nas matas brasileiras, de porte alto e esguio, pouco usado em paisagismo devido ao seu desenvolvimento, mais tardio do que o de outros ipês. Seu florescimento vai de julho a agosto. O ipê branco (Tabebuia roseoalba) tem floração curta, de dois dias, em agosto. Em algumas situações a floração se repete em setembro. O ipê rosa (Tabebuia pentaphylla) floresce mais cedo, em junho. Sua floração pode durar até setembro, e é a única não proveniente do Brasil, e sim da Argentina. Já o ipê roxo (Tabebuia avellanadae) também começa a florir em junho e a florada pode durar até agosto. É muito usado em paisagismo urbano, por sua beleza e desenvolvimento rápido. Segundo o viveiro Bioverde, da capital, a época ideal para o plantio é no período chuvoso. E, se houver possibilidade de regá-lo com freqüência, pode ser plantado em qualquer período do ano. O Bioverde tem mudas de todos os tipos de ipês, vendidas a partir de R$ 3,50, site www.bioverde.com.br. Caldo de cana é de difícil conservaçãoVocês podem me orientar sobre a conservação do caldo de cana (garapa), ainda que seja apenas por alguns dias, refrigerado ou não?Amélio TosatoSão Paulo (SP)Segundo a resposta técnica produzida pelo Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas (www.sbrt.ibict.br), do Ministério da Ciência e Tecnologia, "o caldo de cana é um produto de altíssima perecibilidade, ou seja, se estraga muito facilmente devido ao seu elevado conteúdo em água e açúcares propício ao desenvolvimento de microrganismos deterioradores do tipo leveduras", conforme respondeu ao SRBT a dra. Patrícia Prati, da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp, de Campinas (SP). Assim, continua a dra. Patrícia, "o armazenamento na forma de rapadura é melhor, já que, neste caso, o conteúdo da água é mínimo, possibilitando a conservação do produto". Se, porém, a intenção do leitor não for fazer rapadura, a dra. aconselha o congelamento do caldo, pois apenas a refrigeração não é suficiente para conservar o caldo natural e, "como pequeno produtor, não vejo vantagem em usar um conservante químico, que é caro, neste tipo de produto, que vai gerar um outro de pequeno valor agregado".

O Estado de S.Paulo

02 de julho de 2008 | 01h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.