Espalhar o filtro solar na pele corta efeito protetor

Especialistas do hospital Mount Vernon, nos arredores de Londres, analisaram a forma como filtros solares neutralizam a radiação causadora do câncer. Eles concluíram que espalhar o creme sobre a pele não oferece proteção homogênea, e que deixar uma camada esbranquiçada secar sobre a pele é muito melhor. O estudo foi feito em conjunto com a organização britânica Restoration of Appearance and Function Trust."A maioria das pessoas prefere espalhar o creme sobre a pele. Elas acham mais agradável e mais confortável dessa forma", disse a coordenadora da pesquisa, Rachel Haywood. "Entretanto, pela primeira vez, nossa pesquisa revela que se o creme é espalhado, a proteção é mínima". Em entrevista ao programa de televisão GMTV, Haywood disse que quando o creme é espalhado a proteção contra radicais livres cai. Segundo ela, uma quantidade de 2 mg de creme para um centímetro quadrado de pele oferece 55% menos proteção contra radicais livres do que uma camada espessa de filtro solar. Os pesquisadores usaram restos de pele que sobraram de cirurgias plásticas e simularam em laboratório uma situação de exposição intensa das amostras ao sol.Após a exposição ao sol, os cientistas mediram a quantidade de partículas conhecidas como radicais livres, que provocam danos aos tecidos, presentes nas amostras.E verificaram que os índices de radicais livres aumentaram em relação direta com a exposição aos raios ultravioleta UVA, associados ao câncer e envelhecimento prematuro.Segundo os pesquisadores, quando o creme é esfregado sobre a pele, acaba se acumulando nas dobras e nas glândulas sudoríferas, não oferecendo, portanto, qualquer proteção.Os cientistas dizem que espalhar o creme pode, na verdade, aumentar os riscos. Isso porque, embora não proteja contra os raios UVA, o creme continua sendo capaz de bloquear os raios UVB, responsáveis pelo avermelhamento da pele. O que, dizem os pesquisadores, pode encorajar as pessoas a ficar expostas ao sol por mais tempo.

Agencia Estado,

18 de julho de 2006 | 18h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.