Espanha nega asilo político e deporta filho de Bin Laden

Omar Osama surpreendeu polícia ao pedir asilo durante escala de vôo em Madri.

Anelise Infante, BBC

08 Novembro 2008 | 10h36

O governo espanhol rejeitou neste sábado de forma inapelável o pedido de asilo político de Omar Osama Bin Laden, um dos 19 filhos do homem mais procurado do mundo. A decisão do Ministério do Interior é a deportação imediata de volta ao Egito, de onde Omar Osama, 28 anos, chegou na noite da segunda-feira passada.O avião em que viajava do Cairo rumo a Casablanca pousou em Madri apenas para uma escala.No entanto, no controle de fronteiras, Omar Osama se identificou e pediu asilo político na Espanha.Ainda na sala de inadmitidos do aeroporto de Barajas, ele foi entrevistado na terça-feira por representantes do Ministério do Interior. 'Vida em risco'O filho de Bin Laden alegou correr perigo de vida em qualquer país árabe e se sentir perseguido e ameaçado por ser conhecido como o filho "pacifista" de Bin Laden.Ele afirma condenar a violência e se descreve como um fiel seguidor do Islamismo de hábitos pacíficos.O governo espanhol pediu um informe ao Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e concluiu que o filho de Bin Laden não sofre perseguições políticas, nem corre perigo de vida para ser acolhido.Com o pedido rejeitado, Omar Osama apelou na passada quinta-feira e a resposta definitiva do governo saiu neste sábado: deportação ao Cairo (origem do último destino dele) às 15h (12h em Brasília), sem direito a recursos judiciais. O Ministro do Interior, Alfredo Pérez Rubalcaba disse à imprensa que o governo já tinha decidido não acatar o pedido de asilo, mesmo que a última apelação e um novo informe do ACNUR fossem favoráveis ao filho do líder da Al Qaeda.'Injustiça'"A situação dele não é aplicável a nenhum dos casos previstos na legislação espanhola para que ganhe a categoria de perseguido político e asilado."Em uma nota à imprensa, a esposa de Omar Osama Bin Laden, a britânica Zaina Alsabah, que antes de sua conversão ao Islã era conhecida como Jane Felix-Browne, disse que o marido "é um homem de paz e vítima de uma injustiça"."Omar é um homem inocente que nunca participou de um ato violento e cujo único desejo é viver em paz. Isso é muito injusto, Omar não é o pai dele e acabará morrendo por seu sobrenome".Omar Osama Bin Laden nasceu na Arábia Saudita e morou com o pai durante 10 anos no Sudão e Afeganistão, onde recebeu treinamento militar com as tropas de Al-Qaeda até o ano 2000.No passado mês de abril ele pediu asilo político à Grã-Bretanha, mas foi rechaçado por questões de segurança.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.