Especialistas antitruste da UE querem processar Intel

A Comissão Européia solicitou mais uma vez à comissária de Competição da UE permissão para preparar acusações contra a Intel, como parte de uma longa investigação que enfrenta ainda outros obstáculos, disse na quarta-feira uma fonte familiarizada com o caso. A comissão, braço executivo da União Européia, vem investigando a Intel há seis anos, para determinar se a produtora de chips agiu de maneira desleal para manter seu domínio de mercado com relação à rival Advanced Micro Devices . As duas empresas produzem as unidades de processamento central que acionam os 850 milhões de computadores pessoais em atividade no mundo. A AMD alegou que, embora sua participação de mercado tenha aumentado, esse crescimento foi limitado por ações desleais da Intel. A empresa não quis comentar sobre a reportagem da Reuters. A Intel negou vigorosamente as acusações em geral. Perguntado sobre a reportagem, o porta-voz Chuck Mulloy disse: "A Intel não foi informada sobre qualquer novo desdobramento na investigação da União Européia. Acreditamos que a investigação ainda esteja em curso, e planejamos continuar cooperando". Um assessor de imprensa do Executivo da União Européia se limitou a afirmar que "a comissão tem uma investigação antitruste em curso sobre a Intel". O inquérito da Comissão tem por foco determinar se a Intel empregou técnicas ilegais --em especial descontos oferecidos a fabricantes de computadores-- com o objetivo de tentar conter a participação de mercado da AMD em cerca de 20 por cento. O Wall Street Journal noticiou na quarta-feira que os especialistas antitruste da União Européia haviam recomendado a apresentação de acusações formais. Neelie Kroes, comissária de Competição da União, deve agora decidir se continuará a dedicar recursos da organização ao caso ou se ele será encerrado, segundo a fonte. Se Kroes aceitar a solicitação, sua equipe pode preparar acusações mais completas e formais, em um procedimento que pode levar semanas ou, mais provavelmente, meses, segundo a fonte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.