''Espero enfrentar o Brasil. Aí, sim, a França pode ganhar o Mundial''

Michel Platini: presidente da Uefa[br][br]Francês fala sobre a Copa, o polêmico lance de Henry, e brinca com o retrospecto negativo do time brasileiro contra sua seleção

Entrevista com

Jamil Chade, O Estadao de S.Paulo

22 Dezembro 2009 | 00h00

Ele foi o carrasco do Brasil em 1986 e tirou a seleção de Zico da Copa do México. Michel Platini, ex-capitão da seleção francesa e atual presidente da toda poderosa Uefa, hoje não esboça mais a forma física de seus tempos de glória nos campos - ao contrário, está bem gordinho. Ele mesmo brinca com isso. Mas continua com raciocínio rápido e inteligente quando o assunto é futebol.

Em Zurique, Platini conversou com o Estado sobre as perspectivas para 2010 na África do Sul. Em sua avaliação, o Brasil surge como favorito para vencer o Mundial. Mas, com tom sarcástico, lembra que a seleção pentacampeã "sempre penou contra a França". "Se enfrentarmos o Brasil em algum momento da competição, aí, sim, temos chances de ganhar o título", brincou, lembrando os confrontos de 1986, 1998 e 2006.

Qual é a equipe mais forte para a Copa de 2010?

Em minha opinião, o Brasil chega mais uma vez como o favorito. E não digo isso porque estou falando com um representante da imprensa brasileira, não.

Qual é a razão para esse favoritismo do Brasil?

O Brasil tem uma grande equipe, ótimos jogadores e clareza de que quer ganhar a competição. Isso é muito importante.

Quais serão os principais obstáculos para o Brasil?

A Espanha certamente dará muito trabalho se encontrar o Brasil antes da final. Outra seleção que chega à África do Sul com muita força é a Inglaterra, que quer apagar décadas sem títulos. Esse talvez seja um dos melhores times da Inglaterra em muitos anos. Claro, há ainda aquelas eternas potências do futebol, como Itália e Holanda. Para ser politicamente correto, acho que em uma entrevista eu devo dizer que um africano ainda é bom candidato. Afinal, a Copa é na África, não é mesmo?

O senhor não incluiu a França como possível candidata ao título. Por quê?

Olhe, até que sim. Mas não será fácil. E, claro, espero que tenhamos de enfrentar o Brasil em algum momento da competição. Aí, sim, teremos chances. O Brasil sempre sofre quando joga contra a França. Veja o que ocorreu em 2006 (nas quartas de final da Copa da Alemanha) e em 1986. Claro, hoje eu não poderia mais fazer aquele gol (risos)...

O fato de a França ter se classificado com gol irregular (Henry ajeitou com a mão antes de tocar para Gallas marcar contra a Irlanda) é algo que teria de ser revisto...

Como? Isso faz parte do jogo. Claro que foi mão. Mas não se pode disputar de novo a partida. Numa outra conjuntura, seria cartão amarelo. Mas só isso. Esse é o futebol.

Como o senhor analisa a realização da Copa do Mundo no Brasil em 2014?

Levar a Copa do Mundo ao Brasil é homenagear o futebol. Para os católicos, ir a Roma é o ponto alto de suas vidas. Para os muçulmanos, seria ir a Meca. Para o futebol mundial, o momento mágico é realizar uma Copa no Brasil, e isso é o que vai acontecer. O mundo inteiro do futebol estará lá.

O QUE ELE DISSE

Michel Platini

algoz do Brasil em 1986

"O Brasil é favorito, tem uma grande equipe, ótimos jogadores e clareza de que quer ganhar a competição. A Espanha pode dar muito trabalho e a Inglaterra quer apagar décadas sem títulos"

"Claro que foi mão (do Henry, contra a Irlanda). Mas não se pode disputar de novo a partida. Numa outra conjuntura, seria cartão amarelo. Mas só isso.

Esse é o futebol"

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.