Espuma de colchão revestia boate, diz comerciante

A espuma utilizada no revestimento acústico da boate Kiss, em Santa Maria (RS), apontada por peritos como um dos pontos fundamentais para a tragédia, foi comprada em uma loja de colchões da cidade. A informação foi obtida pela RBS TV, filiada à Rede Globo, com o comerciante dono da loja.

LUCAS AZEVEDO, Agência Estado

04 de fevereiro de 2013 | 17h17

Segundo ele, o material era comprado diretamente da fábrica, depois de ser encomendado pelos responsáveis pela obra na casa noturna. Isso comprovaria que a reforma no local foi realizada sem supervisão técnica especializada.

Já em Porto Alegre, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Sul (Crea-RS) elaborou um relatório, após inspeção na boate, no qual aponta uma sucessão de erros técnicos como causa do acidente, que já vitimou 237 pessoas e mantém outras dezenas internadas. Os engenheiros rechaçaram a ausência de profissionais qualificados para a elaboração de planos de prevenção de incêndio.

O uso de material de revestimento acústico inflamável associado ao espetáculo pirotécnico foram as principais causas do incêndio. Além disso, o Crea criticou a precária sinalização interna, a falha dos extintores, a superlotação do local e a dificuldade de deixar o local. "É urgente que os bombeiros entendam que é preciso investir em profissionais preparados, mas também em equipamentos e departamentos técnicos específicos", declarou o presidente do Crea, Luiz Alcides Capoani.

Tudo o que sabemos sobre:
Santa Mariaespumacolchãoboate

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.