Divulgação
Divulgação

Esquecimento

Nova-iorquina vivendo no Texas, Lindsay Blair Brown é uma fotógrafa com vida dupla

Christian Carvalho Cruz,

29 de junho de 2013 | 16h03

Nova-iorquina vivendo em Austin, Texas, Lindsay Blair Brown é uma fotógrafa com vida dupla. Durante a semana, trabalha em casa clicando produtos, móveis e carros clássicos para uma empresa de design. Aos sábados e domingos, dirige sozinha por horas em estradas poeirentas caçando ruínas. Ou, como ela diz, lugares construídos pelo homem que, depois de abandonados pelos próprios, a natureza resolveu recuperar. O que ela encontra lá dentro está nas fotografias destas páginas (todas feitas com o bom e velho filme negativo, que ela teima em não abandonar) e na entrevista a seguir.

Por que fotografar lugares abandonados?

Lindsay Blair Brown- Primeiro, porque me obriga a procurá-los. Eu adoro viajar de carro pelo Texas procurando novas cidades. Meu plano atual é vasculhar a região num raio de três horas de viagem ao redor de Austin, onde moro. E, depois, porque fotografar, pra mim, é a melhor maneira de documentar a vida. Para que eu me lembre de certos momentos para sempre.

Em certos momentos, esquecer pode ser melhor do que lembrar, não?

Lindsay Blair Brown- Lembrar, principalmente o que construímos e de quão longe viemos, é motivação para seguir lutando. Construir, cuidar, lembrar. É assim que nos tornamos pessoas melhores e ajudamos a tornar nosso mundo melhor. Não acredito no esquecimento. Como podemos saber se escolhemos esquecer?

Como os prédios abandonados entram nisso?

Lindsay Blair Brown- Todo edifício tem uma história. Prédios abandonados foram cheios de vida um dia. Mas quando deixados ao vazio, devido ao lapso de atenção, a natureza recupera seu território e cobra um tremendo pedágio dessas estruturas - o que as torna visualmente atraentes. Bonitas, feias, sinistras, tristes. A sensação muda de acordo com quem olha para esses lugares, ou para as imagens deles. Daí meu interesse em documentá-los.

Como você encontra esses lugares, e o que busca dentro deles?

Lindsay Blair Brown- Procuro a luz natural e como ela se derrama pelo interior do lugar. Também procuro sinais da natureza tomando conta, como vinhas vindo através das janelas ou tetos caindo. Encontro os prédios geralmente por acidente. Estou passando e eles chamam minha atenção. Os mais legais são os que parecem ser estruturalmente sólidos do lado de fora, mas estão caindo aos pedaços por dentro. Acho que, no fundo, é esse jogo do "nem tudo é o que parece" que me atrai a esses lugares para fotografá-los.

Por que você fotografa com filme e não com uma câmera digital?

Lindsay Blair Brown- A beleza do filme está em sua capacidade de gravar completamente a imagem dentro do instante. Ele produz uma fascinante visão inalterada. Os negativos têm uma qualidade orgânica. O público pode ver exatamente o que vi.

Se pudesse escolher apenas um edifício para fotografar, qual seria?

Lindsay Blair Brown- A Sagrada Família, em Barcelona. Acho fascinante que o prédio de Antoni Gaudí seja tão complexo e ainda considerado inacabado depois de tantos anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.