Está mais fácil entrar na faculdade

O que importa o Censo do Ensino Superior para o jovem de 16 anos, que já se amedronta com o vestibular que terá de fazer no futuro próximo? As páginas e páginas do estudo do MEC dizem para o estudante brasileiro que está mais fácil entrar na faculdade. Isso para quem está disposto a cursar ensino superior. Há uma saturação do sistema, com o número de instituições em queda e a sobra de vagas gigantesca. Mesmo assim, ainda há mais lugares, ano a ano, para se estudar em universidades privadas e públicas.

Renata Cafardo, O Estadao de S.Paulo

28 de novembro de 2009 | 00h00

Uma das razões dessa saturação é que nem 70% dos adolescentes brasileiros terminam o ensino médio. Os currículos são tão desconectados com a vida deles, que preferem deixar a escola e ir ganhar dinheiro em lugares que imaginam que lhes darão mais futuro. E mesmo os que terminam seguem outros rumos. Do 1,8 milhão que concluiu o ensino médio em 2007, 1,5 milhão entrou no ensino superior em 2008. Por isso que, mesmo com um mercado que não tem mais para onde crescer, o Brasil amarga uma taxa baixíssima de formados em ensino superior: só 8% dos brasileiros entre 25 anos e 34 anos cursaram universidade. Índice inferior ao do México, Chile e, é claro, Coreia e Japão, que passam dos 50%. O último suspiro é a graduação a distância e os cursos tecnológicos, que têm crescido e são a solução para o jovem trabalhador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.