Estadão traz matéria sobre mortes no tratamento com células-tronco

A edição desta sexta-feira do jornal O Estado de S. Paulo traz matéria sobre o uso de uma terapia experimental com células-tronco que já contabilizou oito mortes, num universo de 60 pacientes de esclerose múltipla avançada. Embora o número não seja exatamente alarmante, o dado arrefece as esperanças do voluntários para este tipo de tratamento.As células-tronco são encontradas nos ossos e no cordão umbilical, como exemplos, e funcionam como curingas. Por serem células jovens, elas têm a capacidade de se transformar em praticamente todos os tecidos e substituir qualquer estrutura danificada no corpo humano.Contudo, embora a propaganda em torno do método seja de caráter otimista, as oito mortes demonstram que há muito ainda a ser estudado sobre questão. Leia no Vida &.

Agencia Estado,

30 de março de 2006 | 23h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.