Estados disputam fábrica de fertilizantes da Petrobrás

MS e MG querem atrair unidade de produção de ureia e amônia

Leonardo Goy, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

11 Dezembro 2009 | 00h00

Os planos da Petrobrás de implantar novas fábricas de ureia e amônia - matérias-primas para a produção de fertilizantes - geraram uma disputa entre os Estados de Mato Grosso do Sul e Minas Gerais, interessados em atrair o investimento. Enquanto a estatal não define o local das novas unidades, as discussões fervilham nos bastidores e, segundo fontes, já levaram até o vice-presidente José Alencar a agir para assegurar que a produção fique em Minas, seu Estado natal.

O senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) disse que o governador do Estado, Aécio Neves, já se dispôs a mandar construir, por meio da Gasmig (braço da Cemig no setor de gás), um duto ligando o Gasoduto Brasil-Bolívia à região do Triângulo Mineiro. O gás natural é matéria-prima necessária para a produção de amônia e ureia. O investimento no gasoduto, segundo Azeredo, chegaria a R$ 1,3 bilhão.

"O mercado consumidor de amônia, que são as fábricas de fertilizantes, estão no Triângulo Mineiro", argumentou Azeredo. Além disso, segundo o senador, a Petrobrás "tem um débito com Minas Gerais", já que, segundo ele, o único investimento de grande porte da empresa no Estado foi feito na década de 60, na construção da refinaria de Betim.

Segundo o senador Delcídio Amaral (PT-MS), apenas uma das unidades custaria US$ 2 bilhões. "Sob o ponto de vista técnico e empresarial, não tenho dúvida de que a Petrobrás vai optar pelo Mato Grosso do Sul", disse Delcídio.

Segundo ele, dois fatores contam a favor do Estado. O gasoduto Brasil-Bolívia corta o território sul-mato-grossense, facilitando o escoamento do gás. "Puxar um gasoduto de 300 quilômetros para Minas não faz sentido", argumentou.

Além disso, sustenta Delcídio, Mato Grosso do Sul possui usinas termelétricas movidas a gás natural, que já possuem contratos de compra do combustível. E, como as usinas não funcionam o tempo todo - apenas quando os níveis dos reservatórios das hidrelétricas estão baixos -, o gás que elas contratam e não utilizam poderia ser usado na fábrica de compostos para fertilizantes.

CONVERSAS

Na bancada mineira, a briga para atrair o investimento uniu até governistas e oposicionistas. O senador Wellington Salgado (PMDB), aliado do governo federal e adversário de Azeredo, disse que pretende tratar do assunto com seu companheiro de PMDB, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão.

A ideia de construção de fábricas de amônia e ureia pela Petrobrás foi discutida em novembro, em reunião do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o presidente da estatal, José Sérgio Gabrielli, e o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes.

Ao sair dessa reunião, Stephanes disse que seriam construídas três fábricas: em Três Lagoas (MS), em Linhares (ES) e outra em algum município de Sergipe. No mesmo dia, porém, Gabrielli disse que nem os locais e nem a quantidade de fábricas estavam definidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.