'Estamos a caminho', diz Obama em discurso de vitória

Senador faz pronunciamento em Winconsin, local da próxima primária.

Bruno Garcez, BBC

13 de fevereiro de 2008 | 07h35

O senador Barack Obama comemorou na terça-feira a conquista das chamadas primárias do Potomac, realizadas simultaneamente na capital americana e nos Estados de Maryland e Virgínia.''Hoje à noite, nós estamos a caminho'', afirmou Obama, em seu discurso de vitória. ''Nós vencemos em Maryland, Virgínia e apesar de termos vencido em Washington DC, esse movimento não vai parar até que haja mudança em Washington, e hoje à noite, nós estamos a caminho.''Obama fez seu pronunciamento na próxima parada da corrida eleitoral, o Estado de Wisconsin, que realiza sua primária no próximo dia 19 de fevereiro.Um total de 83 delegados estão em jogo na disputa democrata em Wisconsin. Muito chapéu e pouco gadoA principal rival de Obama, a senadora Hillary Clinton, já olha para a frente, para as primárias do Texas e de Ohio, que acontem nos dias 4 de março, onde, segundo as pesquisas, ela estaria em vantagem em relação ao adversário.Hillary discursou na terça-feria em El Paso, no Texas. Ela mostrou um estilo mais descontraído do que o que vem marcando sua campanha, citando um ditado texano.''Aqui no Texas, existe um grande ditado, costuma se falar em muito chapéu e pouco gado'', disse em referência a políticos que preferem enfatizar o estilo sobre a substância.E acrescentou: ''Depois de sete anos de George W. Bush, nós precisamos de muito mais gado do que de chapéu''. Mas a referência de Hillary pareceu valer também para Barack Obama. Ela vem constantemente acusando o senador de se valer de sua oratória, mas de não apresentar propostas consistentes. McCain e os democratasEm seu discurso de vitória, o senador e pré-candidato republicano John McCain disse que sua campanha enfrentou ''altos e baixos'', mas que agora está se aproximando do final da primeira metade da campanha ''em alta''.Há alguns meses, a campanha de McCain tinha pouco dinheiro em caixa e alguns de seus principais assessores haviam pedido demissão, por discordar da linha adotada pelo senador, em especial por seu apoio à guerra do Iraque. ''Não sabemos ao certo ainda quem terá a honra de ser o indicado democrata para concorrer à presidência, mas sabemos em que rumo eles irão levar esse país e temos de impedi-los'', afirmou. O senador disse que os democratas tendem a prometer um futuro melhor para todos, mas que para ''cumprir esses sonhos'' eles tendem a promover políticas onerosas, que impõem mais gastos à população.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.