Estátua gigante do imperador Adriano é encontrada na Turquia

Até o momento as escavações conseguiram descobrir apenas a cabeça, o pé e parte de uma perna

BBC Brasil, BBC

10 de agosto de 2007 | 11h20

Partes de uma enorme e muito bem esculpida estátua do imperador romano Adriano foi encontrada em uma escavação arqueológica na região centro-sul da Turquia. A estátua original deveria ter entre quatro e cinco metros de altura, segundo estimativas de especialistas. Governando Roma entre 117 e 138 d.C., Adriano ficou conhecido por ser um grande administrador militar e um dos chamados "cinco bons imperadores" de Roma. Entre suas obras está a famosa Muralha de Adriano, no norte da Grã-Bretanha. Até o momento as escavações conseguiram descobrir apenas a cabeça, o pé e parte de uma perna. Mas os arqueólogos esperam encontrar outras partes da estátua nas próximas semanas. O pé tem 80 centímetros de comprimento, a perna (o pedaço encontrado vai de uma parte pouco acima do joelho até o tornozelo) tem cerca de 70 centímetros de comprimento. A cabeça, que está quase intacta exceto pelo nariz quebrado, também tem 70 centímetros. Os pedaços do monumento gigante a Adriano foram encontrados a cerca de cinco metros abaixo do chão, entre as ruínas soterradas de uma casa de banhos em Sagalassos, uma antiga cidade no topo de uma montanha no sul da Turquia. A estátua data dos primeiros anos do reinado de Adriano. A decoração elaborada na sandália sugere que o imperador foi retratado usando roupas militares. A descoberta foi feita por arqueólogos da Universidade Católica de Leuven, na Bélgica, que estão investigando o local desde 1990. Marc Waelkens, diretor da escavação, afirmou que esta era "uma das mais belas representações" do imperador já encontrada. Nascido no ano 76 d.C. em uma família abastada na Itálica, perto do que é atualmente Sevilha na Espanha, Adriano presidiu em um período de paz relativa e prosperidade no Império Romano. Ele construiu fortificações permanentes nas fronteiras do império, para consolidar o poder de Roma. A fronteira mais ao norte deste império ainda resiste: a Muralha de Adriano atravessa de costa a costa o território norte da Grã-Bretanha, de Wallsend a Solway Firth. Foi construída para repelir os ataques de tribos caledônias. A casa de banhos na qual a estátua foi encontrada foi destruída por um forte terremoto que ocorreu entre o final do século 6 e início do século 7 d.C.. A estátua foi originalmente criada em pedaços, que foram então encaixados em seus lugares para criar um monumento imponente em homenagem ao imperador. São estas partes que atualmente estão no chão da casa de banhos destruída: quando o prédio desabou, a estátua caiu desmontada em suas juntas. Nos últimos dias a equipe também descobriu dedos do pé de mármore, com buracos para pinos, para fixar os dedos a um longo vestido que pertencia a outra enorme estátua, talvez da mulher de Adriano, Sabina. Os moradores de Sagalassos tinham afeição especial por Adriano. Ele reconheceu o local oficialmente como "a primeira cidade" da província romana de Pisidia e se transformou no centro de um culto oficial na região, que adorava o imperador. Estas mudanças administrativas atraíram milhares de visitantes durante os festivais imperiais, aumentou o comércio e a prosperidade. "Como uma forma de agradecimento ao imperador, existiam monumentos particulares e públicos a Adriano, em toda a cidade", disse Mark Waelkens à BBC. Um santuário ou templo a Adriano foi construído na parte sul de Sagalassos. E em uma grande fonte, perto da casa de banhos, arqueólogos encontraram parte de uma estátua dourada em bronze do imperador, financiada por uma das famílias mais importantes de Sagalassos.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.