Estilo simples do novo papa constrasta com pontificado de Bento 16

A cada dia de pontificado do papa Francisco, seu estilo revela mais contrastes com seu antecessor, uma mudança evidente em relação à forma como Bento 16 conduziu seu papado.

TOM HENEGHAN, Reuters

19 de março de 2013 | 14h03

O entusiasmo que o ex-cardeal Jorge Bergoglio provocou entre os católicos, abordando o trabalho como um padre da paróquia, em vez de um monarca papal, aponta para o anseio por um líder que a Igreja não via desde o carismático papa João Paulo 2º.

Ele mostrou seu estilo humilde na missa inaugural nesta terça-feira, usando vestes simples brancas, sapatos pretos de amarrar e uma moderna mitra, ou chapéu de bispo. As vestes dos cardeais presentes à missa estavam mais enfeitadas do que a do novo papa.

Em contraste, Bento 16 usou uma vestimenta com brilho dourado, um manto volumoso e sapatos sem cadarço vermelhos, além de uma mitra dourada antiga e ornamentada para sua primeira liturgia pública em 24 de abril de 2005.

Sete dias é um tempo curto para julgar um pontificado, mas a aprovação do papa Francisco parece mostrar que ele está mais perto do que muitos católicos querem de um papa. Italianos frequentemente notam com satisfação que ele lembra o popular papa João 23 (1958-1963).

"Esta é uma nova brisa de ar fresco que sopra através da Igreja e o nome de brisa é Francisco", disse o cardeal Leonardo Sandri, um argentino, à Reuters.

"Este é um apelo à humildade e serviço aos outros que marcarão seu papado", afirmou ele após a missa inaugural.

Referindo-se à eleição de Bento em 2005, em que Bergoglio ficou em segundo lugar, o teólogo italiano Massimo Faggioli disse que Franciso "representa a estrada não tomada há oito anos".

"Bento 16 é um grande teólogo, mas ser papa não tem a ver com ser um teólogo", disse. "Eu acho que a história vai vê-lo como um papa que mostrou um lado particular do que o catolicismo é hoje, não como um papa falando para toda a Igreja."

ESTILO MOSTRA SINAIS

O papado de Bento 16 remeteu à longa tradição intelectual da Igreja, mas a fé também vem do coração.

Em vez de um professor reservado, o novo papa fala muitas vezes de improviso, algo que Bento quase nunca fez, e aprecia contar histórias de sua experiência como pastor.

Francisco, que disse apenas coisas positivas sobre seu antecessor, tem impressionado outros cardeais ao minimizar o lado monárquico do papado de Bento.

Ele pegou um ônibus do Vaticano junto com outros cardeais, em vez de usar a limusine à sua espera depois de sua eleição, e sentou-se na cadeira que estava disponível no jantar, em vez de sentar-se à cabeceira da mesa.

Isso não deveria ser uma surpresa para o primeiro papa jesuíta do catolicismo, uma vez que os membros da ordem fazem um voto de pobreza, mas as tradições barrocas do Vaticano são tão arraigadas que mesmo pequenas mudanças são percebidas e analisadas.

Preocupados que a mensagem essencial da Igreja não estivesse sendo passada, os cardeais que elegeram Francisco disseram claramente antes do conclave que uma nova abordagem era necessária.

"A mensagem de Jesus é uma mensagem atraente, mas pode ficar totalmente enterrada no nosso igrejismo", disse o padre Thomas Reese, um jesuíta autor do livro "O Vaticano por Dentro".

O estilo de um papa não é uma questão superficial. "A forma como todo papa se apresenta envia uma poderosa mensagem aos bispos locais", disse Faggioli, que leciona na Universidade de St. Thomas, em Minneapolis.

Tudo o que sabemos sobre:
VATICANOFRANCISCOESTILO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.