Estrela Spitzer

O xerife de Nova York e a briga da carteira de motorista para imigrantes ilegais.

BBC Brasil, BBC

25 de outubro de 2007 | 05h50

Nova York é um Estado politicamente esquizofrênico. Elege governadores cheios de idéias e vigor, como os dois Roosevelt, Al Smith, Nelson Rockefeller, Mario Cuomo, e também elege patetas como George Pataki e Hugh Carey.Agora temos Eliot Spitzer, um xerife nascido em berço de ouro no lado fino do Bronx, com passagens brilhantes pelas melhores universidades e campeão de brigas contra ricos e poderosos.Os pais de Spitzer eram judeus que imigraram da Áustria e chegaram sem um centavo em Nova York. O pai fez fortuna em imóveis e educou os filhos com incentivo no debate nas refeições.Spitzer perdeu a primeira eleição para presidente da tuma da escola quando tinha 12 anos. Descobriu que perder é mais instrutivo que que ganhar, mas dói muito e custa caro. Desde então, só perdeu uma eleição. Ele se tornou figura nacional quando ainda era procurador do Estado de NY e investiu contra as maiores corretoras da Wall Street.Com o país chocado e milhares de acionistas quebrados pela falência da Enron e outras empresas, a cruzada de Spitzer teve enorme apoio popular. Merrill e as outras coretoras pagaram US$ 1,4 bilhão de multas. Num governo como o de Bush, onde as empresas e os lobistas redigem as leis, a estrela de Sptizer brilhou no país inteiro.A ficha dele contra a máfia e criminosos menores também é longa e ano passado ele ganhou a eleição para governador de Nova York de lambuja.Desceu na capital mais disposto a bater do que negociar. Um dos primeiros alvos foi Hal Bruno, o veterano líder da maioria republicana na Assembléia. Seus assessores pecaram pelo excesso de zelo e o tiro saiu pela culatra. O governador foi acusado de usar métodos ilegais para levantar podres do republicano. Acabou absolvido pela investigação, mas a estrela perdeu brilho.Sua nova briga é uma das mais difíceis da carreira. Quer dar carteira de motorista para imigrantes ilegais. A idéia não é nova nem original. Até 2004 Nova York não exigia prova de cidadania nem residência para emitir carteiras, e oito estados americanos já adotaram a medida.Sem uma identidade americana - e a carteria de motorista é a mais comum - o imigrante não pode abrir conta em banco, ter seguro, telefone, alugar imóvel, enfim, leva uma vida às escondidas, incerta, mais cara e perigosa para o Estado.Mesmo sem carteira o imigrante dirige, tem acidentes e, quando pode, foge sem prestar socorro. Quem dirige legalmente faz um seguro extra para se proteger contra motoristas sem carteira. A conta é de US$ 120 milhões por ano.O governador, com apoio de especialistas em segurança e de grupos liberais, argumenta que a carteira de motorista, além de reduzir custos com seguro, vai identificar milhões de ilegais, e isto aumentará a segurança não só nas estradas, mas no país.A lógica parece evidente, mas ele nunca levou tanto chumbo dos políticos e demagogos. A postura do país no momento é antiimigrante, e o estilo combativo de Spitzer desperta forças igualmente agressivas. A estrela do xerife se apaga. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
lucas mendescoluna

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.