Estudantes acampam na sede do Incra, em Salvador

Cerca de 200 estudantes baianos de Agronomia, Magistério e Pedagogia da Terra, ligados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) e ao Movimento de Trabalhadores Assentados Acampados e Quilombolas (Ceta), estão acampados desde a manhã de hoje na sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), em Salvador. O objetivo é apoiar a Jornada Nacional em Defesa da Educação e do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), promovida por organizações sociais do campo. A manifestação deve se estender até a noite de quarta-feira.

TIAGO DÉCIMO, Agencia Estado

08 Junho 2009 | 16h34

Durante os três dias serão realizados, no instituto, palestras, debates e aulas especiais sobre o Pronera, com a participação de reitores de universidades públicas da Bahia, representantes do Incra e do governo estadual. Segundo os manifestantes, a Jornada tem como objetivos protestar contra a redução dos investimentos no programa, pressionar para que mais cursos sejam criados e divulgar para a população a importância do Pronera para os assentados.

Mais conteúdo sobre:
estudantesMSTCetaIncraPronera

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.