Estudantes da USP e Unicamp fecham Avenida Paulista

A Avenida Paulista, no sentido Paraíso, teve todas as suas faixas interditadas nesta quarta-feira, 09, por um grupo de aproximadamente 300 estudantes da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Os manifestantes se reuniram a partir das 16 horas no vão livre do Masp e pretendem seguir até a Assembleia Legislativa de São Paulo, pela Avenida Brigadeiro Luís Antônio.

Agência Estado

09 Outubro 2013 | 18h50

A Justiça negou nesta quarta-feira, 09, o pedido de reintegração de posse da reitoria da Universidade de São Paulo (USP), ocupada por estudantes há oito dias. Após o fracasso da audiência de conciliação entre representantes da USP e dos alunos na terça-feira, 08, o juiz Adriano Laroca, da 12ª Vara da Fazenda Pública da capital, reprovou a possibilidade de usar força policial para retirar os alunos. A universidade deve recorrer da decisão.

De acordo com o magistrado, o Judiciário não pode absorver conflitos negados pela postura antidemocrática de outros poderes, "sem o risco de ele próprio praticar o mesmo autoritarismo (repressão)". Laroca ainda argumentou que a retirada de alunos pela Tropa de Choque traria mais danos à imagem da universidade do que a paralisação parcial da instituição por causa do protesto.

Nesta quarta-feira, os estudantes fazem um protesto na Avenida Paulista a favor de mais democratização nas eleições da USP. Alunos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) organizaram caravana para reforçar a manifestação, que seguirá até a Assembleia Legislativa. A reitoria da Unicamp também está ocupada por alunos, que são contra a presença da Polícia Militar no campus.

Mais conteúdo sobre:
protestosSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.