Estudantes montam barricada na USP

Eles acreditavam que a PM faria a reintegração de posse de salas da moradia estudantil; ação não ocorreu

O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2012 | 03h03

Na madrugada de ontem, estudantes se prepararam contra uma possível ação policial de reintegração de posse, armando uma barricada com galhos, pedaços de madeira, pedras, bancos e sacos de cal em frente à moradia estudantil da Universidade de São Paulo (USP). Desde 2010, salas do bloco G estão ocupadas por alunos que reivindicam mais vagas no Conjunto Residencial da USP (Crusp). A reintegração não ocorreu.

Os universitários acreditavam que a reintegração ocorreria ontem por causa da data que consta em um despacho judicial. Mas a decisão em questão se referia ao prazo para a manifestação da universidade sobre o caso - este, sim, finalizado ontem.

A reitoria confirmou que ainda não há decisão para a desocupação do bloco. O processo continua em tramitação. Segundo o movimento, intitulado Moradia Retomada, 47 estudantes residem na ocupação.

Por causa do bloqueio, o serviço odontológico oferecido no bloco foi interrompido. A USP não informou quantas pessoas foram prejudicadas.

Uso das salas. Antes da ocupação, as salas eram usadas pela Coordenadoria de Assistência Social (Coseas).

Em dezembro, o reitor João Grandino Rodas expulsou seis alunos que participaram dessa ocupação. De acordo com a reitoria, eles foram responsabilizados, entre outras coisas, por prejuízos causados. / P.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.