Estudo: 40% do fluxo do Twitter é feito de 'bobagens'

Pesquisa americana mostra que usuários se dedicam, na grande maioria, a bate-papo e coisas sem importância.

BBC Brasil, BBC

17 Agosto 2009 | 10h54

Um estudo sobre o uso do Twitter revelou que 40,5% das mensagens trocadas através do serviço são "bobagem sem sentido".

Realizada pela empresa de pesquisa de mercado americana Pear Analytics, o estudo tinha como objetivo produzir um instantâneo de como os internautas usam o serviço.

Além de enviar as ditas "bobagens", usuários usam o serviço também para bater papo em tempo real.

O estudo concluiu que apenas 8,7% das mensagens enviadas poderiam ser classificadas como tendo "valor", já que traziam informações interessantes.

Mensagens

Para ter uma idéia de como o Twitter é usado, a Pear Analytics avaliou mensagens postadas no serviço de microblog a cada 30 minutos, entre 11h00 e 17h00, em dias de semana, por duas semanas.

Ao todo, a empresa analisou 2 mil mensagens e as classificou em seis categorias: notícias, spam, auto-promoção, bobagens sem sentido, bate-papo e as que tinham algum valor.

As conversas pelo Twitter em geral envolviam dois usuários que postavam mensagens respondendo à anterior, enquanto que as classificadas como "bobagem sem sentido" eram do tipo "estou comendo um sanduíche".

Quando os analistas da Pear Analytics começaram o estudo, eles esperavam que a maioria das mensagens seria de spam ou auto-promoção. Segundo os analistas, esta crença veio com o crescimento do número de empresas usando o Twitter como ferramenta para aumentar as vendas.

Em vez disso, o estudo concluiu que 40,5% das mensagens poderiam ser classificadas como bobagem sem sentido, 37,5% como bate-papo e 8,7% como tendo algum valor de informação. Auto-promoção e spam ficaram em 5,85% e 3,75%, respectivamente.

"Com a nova face do Twitter, será interessante ver se eles assumem um papel mais pesado nas notícias, ou continuam a ser uma fonte para as pessoas dividirem suas atividades correntes que tem pouco a ver com os outros", disse Ryan Kelly, fundador da Pear Analytics.

A empresa pretende repetir o estudo a cada trimestre para rastrear tendências de uso da ferramenta. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
internet twitter pear analytics

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.