Estudo compara aquecimento global à guerra nuclear

Centro de estudos afirmou que o aquecimento global vai limitar as safras e a disponibilidade de água

JEREMY LOVELL, REUTERS

12 de setembro de 2007 | 14h24

As mudanças no clima podem terimplicações globais na área de segurança equivalentes a umaguerra nuclear, a menos que sejam tomadas providênciasurgentes, disse na quarta-feira um levantamento do InstitutoInternacional para Estudos Estratégicos (IISS). O centro de estudos especializado em segurança afirmou queo aquecimento global vai limitar as safras e a disponibilidadede água em todo o planeta, causando sofrimento e conflitosregionais. O documento disse que, embora todos tenham começado areconhecer a ameaça que as mudanças no clima representam,ninguém assumiu um papel efetivo de liderança para tratar daquestão, e não se sabe exatamente quando nem onde o problemaserá mais grave. "As medidas internacionais mais recentes para combater oaquecimento global representam o reconhecimento ... de que, sea emissão de gases estufa continuar como está, os efeitos serãocatastróficos -- no nível de uma guerra nuclear", disse orelatório. "Mesmo que a comunidade internacional consiga adotarmedidas abrangentes e eficazes para mitigar as mudanças noclima, ainda assim haverá impactos inevitáveis do aquecimentoglobal sobre o meio ambiente, as economias e a segurançahumana." O IISS cita as consequências tradicionais do aquecimentoglobal, como a elevação do nível do mar, a migração forçada,tempestades mais intensas, secas, enchentes, extinções,incêndios florestais, epidemias, destruição de lavouras e afome. O impacto já está sendo sentido, especialmente nosconflitos do Quênia e do Sudão, e o mesmo deve acontecer emoutros lugares. "Podemos todos ver que a mudança no clima é umaameaça à segurança global, e dá para avaliar as causas e asáreas mais óbvias", disse o especialista Nigel Inkster, docentro de estudos. "Muito mais difícil é descobrir como lidarcom isso." O relatório, um documento anual, disse que uma dasconsequências da mudança no clima é diminuir a capacidade domundo de combater o aquecimento global, num círculo vicioso.Com isso, aumentaria a distância entre ricos e pobres, e astensões étnicas cresceriam, o que por sua vez incentivaria aocorrência de ainda mais conflitos. As áreas urbanas não escapariam, já que a escassez de águae a redução das safras elevaria muito o preço dos alimentos,disse IISS. Segundo o texto, 65 países devem perder mais de 15por cento de sua safra agrícola até 2100, quando a populaçãomundial já deve ter chegado aos 9 bilhões de pessoas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.