Estudo contraria ideia de que ilhas sumirão

Trabalho analisou 27 ilhas do Pacífico onde o nível do mar subiu;apenas quatro tiveram redução do tamanho

AP, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2010 | 00h00

NOVA ZELÂNDIA - Algumas ilhas do Pacífico que se imaginava ameaçadas pelo aumento do nível do mar cresceram nos últimos anos, em vez de afundarem. A informação é de um estudo publicado na revista Global and Planetary Change, que inclui as ilhas de Tuvalu, Kiribati e Micronésia. O crescimento dessas ilhas ocorreu em razão do acúmulo de corais e sedimentos, apesar de o nível do mar ter subido.

O estudo geológico prevê que as ilhas existirão daqui a cem anos, porém não se sabe se serão habitáveis. Kiribati, por exemplo, procura local para realocar parte da população que vive na faixa costeira.

Dois pesquisadores - Paul Kench, da Universidade de Auckland, e Arthur Webb, da Comissão de Geociências Aplicadas do Pacífico Sul - mediram 27 ilhas. O nível do mar subiu 120 milímetros nos últimos 60 anos na região analisada. E, enquanto quatro ilhas ficaram menores, as outras 23 mantiveram o mesmo tamanho ou cresceram.

Os cientistas utilizaram fotografias aéreas e imagens de satélite de alta resolução para chegar ao resultado. Kench afirmou que as ilhas estão respondendo ao aumento do nível do mar.

"Elas não estão todas crescendo. Mas a consistência com que algumas cresceram é um pouco surpreendente", diz o pesquisador. Ele alerta, no entanto, que um ritmo acelerado de subida do nível do mar poderia ser uma "séria ameaça ambiental para as pequenas nações insulares".

Para o oceanógrafo australiano John Hunter, a descoberta é uma boa notícia, e não uma surpresa. "Ilhas de coral podem se manter com algum aumento do nível do mar", afirma.

Entretanto, ele ressalta que o aquecimento não trará como consequência apenas a elevação do mar, mas também o aquecimento do oceano e a sua acidificação, o que pode ser prejudicial. "Isso certamente é problemático para os corais." /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.