Estudo diz que 2007 deve ser 2º ano mais quente da história

A maioria dos climatologistas aponta uma tendência de mais secas, inundações e calor

Agencia Estado

02 Julho 2007 | 09h19

Este ano deve se tornar o segundo mais quente desde o início dos registros, na década de 1860, disseram especialistas na sexta-feira, 29. Segundo eles, as inundações no Paquistão e a onda de calor na Grécia podem ser o prenúncio de inconvenientes ainda maiores, provocados pelo aquecimento global. "2007 parece que vai ser o segundo mais quente, atrás de 1998", disse Phil Jones, chefe da Unidade de Pesquisa Climática da Universidade de East Anglia (Reino Unido), que fornece dados para a Organização Mundial de Meteorologia (OMM), da ONU. "Não está muito atrás (de 1998). Pode mudar, mas no momento parece improvável", disse ele, com base nos registros de temperatura feitos até o fim de abril. Jones previra no final do ano passado que 2007 poderia superar 1998 como o ano mais quente já registrado, devido à combinação do efeito estufa, provocado principalmente pela queima de combustíveis fósseis, com o El Niño, fenômeno natural causado pelo aquecimento das águas superficiais do oceano Pacífico. Quase todos os climatologistas apontam uma tendência de mais secas, inundações, ondas de calor e tempestades. Mas dizem que, isoladamente, esses fatos não são necessariamente reflexo do aquecimento, já que o clima é mesmo caótico. Os dez anos mais quentes no último século e meio foram todos registrados de 1990 para cá. O ano de 2006 foi o sexto mais quente, segundo a OMM. A Nasa, que usa dados ligeiramente diferentes, coloca 2005 como o mais quente, à frente de 1998. Entre os fenômenos mais devastadores, mais de 500 pessoas morreram em tempestades e inundações no Paquistão, no Afeganistão e na Índia na semana passada. Na Grécia, as temperaturas atingiram 46º C nesta semana, como parte da onda de calor que atinge o sul da Europa. Algumas regiões da China também tiveram calor excepcional nos últimos dias. No norte da Inglaterra e em parte do Texas houve chuvas torrenciais - a cidade de Austin vive o ano mais úmido já registrado ali. Neste ano, uma comissão da ONU que reúne o trabalho de 2.500 cientistas disse que "muito provavelmente" as atividades humanas ligadas ao uso de combustíveis fósseis são a principal causa do aquecimento no último meio século. A "melhor estimativa" da comissão é de que as temperaturas subirão de 1,8º C a 4º C neste século, no planeta. Salvano Briceño, chefe do secretariado da Estratégia Internacional da ONU para Redução de Desastres, em Genebra, disse que o mundo tem de adotar políticas melhores contra desastres naturais, e que a mudança climática já está aumentando os riscos. Aquecimento à parte, muita gente está superlotando as cidades, o que leva, por exemplo, à ocupação de áreas sujeitas a inundações ou secas. "Precisamos reduzir todos os fatores subjacentes, como colocar as comunidades fora de áreas sujeitas a incidentes", disse ele. "Agora temos um quadro mais claro do que está acontecendo e é urgente que os governos dêem a isso uma maior prioridade."

Mais conteúdo sobre:
aquecimento global ano mais quente omm

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.