Estudo mostra que amamentar evita câncer

Um painel de 22 especialistas de cinco continentes concluiu que, além de proteger contra infecções, desenvolver o sistema imunológico e fortalecer o vínculo entre mãe e filho, a amamentação tem um importante e pouco conhecido benefício: prevenir o câncer. Durante cinco anos, eles revisaram 7 mil estudos e escreveram uma lista com recomendações que reduzem o risco de desenvolver a doença, que é a segunda causa de mortalidade no Brasil. "A amamentação reduz o risco de obesidade, que é fator de risco principal para os tumores do trato digestivo e secundário para a maioria dos tipos de câncer", disse o diretor-geral do Fundo Mundial de Pesquisa do Câncer (WCRF), Geoffrey Cannon, que lançou hoje, no Congresso Internacional de Controle de Câncer, a tradução brasileira do relatório."É necessário enfatizar que não existe nenhum outro estudo global com bases científicas tão fortes", afirmou. Embora houvesse evidências de que a amamentação torna menor a possibilidade de a mãe desenvolver tumor no seios, é a primeira vez que é relacionada à prevenção da moléstia na vida adulta do bebê, disse.Segundo Cannon, o objetivo do estudo era chegar às recomendações, que servem de metas para a saúde pública e orientação pessoal visando a adoção de hábitos mais saudáveis. O câncer é uma enfermidade de genes vulneráveis à mutação, especialmente durante o longo período da vida humana.

FABIANA CIMIERI, Agencia Estado

27 de novembro de 2007 | 18h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.