Estudo pede cautela na decisão

Um estudo feito pelo Núcleo de Economia do Turismo da Universidade de Brasília (UnB) concluiu que o aumento da participação estrangeira no setor aéreo deve ser visto com cautela. Segundo a coordenadora da pesquisa, Maria de Lourdes Mollo, a substituição das empresas nacionais pelas estrangeiras na prestação de serviços aéreos pode trazer consequências negativas para o restante da economia. Após um comparativo com vários setores, a equipe concluiu que os efeitos indiretos são muito maiores do que se imaginava. Para cada R$ 1 milhão de receita, são gerados 7,18 empregos diretos e 17,23 indiretos, acima da média (13,99) da economia. Na indústria automotiva, por exemplo, onde já se conhece esse efeito, o coeficiente é de 18,88. "É como se transferíssemos parte dos efeitos multiplicadores de produção, emprego e renda indiretos para o exterior", diz Maria de Lourdes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.