Estudo revela poucos registros de reações adversas a dose

O número de casos de síndrome de Guillain-Barré (SGB) depois da vacinação contra a gripe suína é menor que o esperado, segundo estudo divulgado ontem no Encontro Anual da Academia Americana de Neurologia. O resultado confirma pesquisas anteriores que demonstravam a segurança da vacina.

, O Estado de S.Paulo

14 Abril 2010 | 00h00

A síndrome surge quando as defesas imunológicas atacam o sistema nervoso periférico. Os sintomas iniciais são formigamento e fraqueza. Pode evoluir para quadros de paralisia.

Temia-se a repetição do que aconteceu na campanha de imunização para a gripe H1N1 de 1976, quando o número de ocorrências da síndrome permitiu estabelecer uma relação direta entre a vacina e a doença. Agora, o sistema de vigilância dos eventos adversos da vacina, nos EUA, mostrou que houve pouquíssimos casos de SGB, menos até do que o observado na imunização contra gripe sazonal, em 2009.

Para 10 milhões de doses da vacina contra gripe suína, houve 3,5 casos da SGB. No caso da influenza sazonal, houve 7,3 casos para um universo semelhante.

A infectologista Nancy Bellei, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), acredita que resultados assim são importantes para garantir adesão às campanhas. "Parte da comunidade médica ainda está muito tímida e não aconselha claramente seus pacientes a tomar a vacina", diz Nancy. / ALEXANDRE GONÇALVES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.