Etanol brasileiro é o que mais reduz emissões, diz OCDE

Estudo comparado diz que produto brasileiro contribui para redução de até 90%.

Daniela Fernandes, BBC

16 Julho 2008 | 08h48

Um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) afirma que o etanol brasileiro contribui mais na redução das emissões de gases que provocam o efeito estufa do que os biocombustíveis produzidos nos Estados Unidos e na EuropaIntitulado Avaliação Econômica das Políticas de Apoio aos Biocombustíveis, o estudo afirma que o etanol de cana-de-açúcar produzido no Brasil permite reduzir as emissões em até 90%. O documento foi divulgado nesta quarta-feira em Paris.Já os biocombustíveis produzidos a partir do milho, como nos Estados Unidos, permitem reduzir as emissões apenas entre 20% e 50%, segundo o estudo da OCDE. No caso do etanol à base de trigo, produzido em alguns países da Europa, a diminuição das emissões de dióxido de carbono em relação aos combustíveis fósseis são de 30% a 60% e, em relação ao etanol de beterraba açucareira, a redução de CO2 varia entre 30% e 50%."Apesar da redução das emissões de gases que provocam o efeito estufa serem a razão principal das políticas voltadas para os biocombustíveis, os resultados são limitados", diz o relatório. "O etanol de cana-de-açúcar do Brasil permite diminuir as emissões em pelo menos 80%. No entanto, os percentuais são muito mais baixos para os biocombustíveis realizados com as matérias-primas utilizadas na Europa e na América do Norte", afirma a Direção de Agricultura da OCDE, que realizou o estudo.RecomendaçõesSegundo a organização, "o apoio governamental à produção de biocombustíveis nos países da OCDE custa caro, mal consegue reduzir as emissões de gases com efeito estufa e melhorar a segurança energética e repercute fortemente sobre os preços mundiais dos produtos alimentares."A OCDE reúne 30 economias, entre elas, algumas das mais industrializadas do mundo. O Brasil não integra a organização.Para melhorar a eficácia econômica, ambiental e social dos biocombustíveis, a OCDE sugere que sejam estabelecidos patamares mínimos para a redução de gases que provocam o efeito estufa. A organização recomenda também a eliminação de barreiras alfandegárias sobre o produto, além do reforço das pesquisas tecnológicas.Além do fim das barreiras sobre o produto final, a OCDE recomenda ainda a eliminação de barreiras alfandegárias sobre as matérias-primas utilizadas em sua produção. De acordo com a organização, essa medida "deve permitir a redução dos custos e melhorar sua eficácia energética".O documento afirma ainda que na maior parte dos países, os biocombustíveis dependem fortemente de subvenções públicas, sobretudo nos Estados Unidos, Canadá e Europa."Nesses países, os subsídios atingiram US$ 11 bilhões em 2006 e devem chegar a US$ 25 bilhões por ano em 2015", diz o documento.Segundo estimativas da OCDE, as medidas de apoio à produção de biocombustíveis custam entre U$ 900 e U$ 1,7 mil por cada tonelada de dióxido de carbono que deixa de ser emitida na atmosfera.A organização afirma que a produção de biocombustíveis deve dobrar nos próximos dez anos. Os Estados Unidos são os maiores produtores de etanol, totalizando 48% da produção mundial, enquanto o Brasil representa 31%. A Europa totaliza 60% da produção mundial de biodiesel.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.