'Eu poderia ter 32'

Courteney Cox diz que não sente o tempo passar e fala da virada de sua personagem em Cougar Town

Alline Dauroiz / LOS ANGELES,

20 de fevereiro de 2011 | 08h00

 

Desde que Jules, personagem de Courteney Cox, assumiu o romance com o vizinho bonitão e quarentão Grayson (Josh Hopkins), a temporada de caça aos garotões chegou ao fim em Cougar Town - e a série ficou menos "cougar" (termo para designar mulheres maduras que namoram rapazes) e mais Friends. Agora com dois relacionamentos sérios na trama (há também o improvável e fofo casal Andy/Ian Gomez e Ellie / Christa Miller), o criador Bill Lawrence (de Friends e Scrubs) tem se aventurado a explorar a vida a dois, com muito humor e vinho, ingrediente essencial em todos os episódios.

 

Em entrevista ao Estado, durante papo com a imprensa internacional, Courteney fala da mudança de rumo na série e garante que, aos 46 anos, não sente o tempo passar.

 

 

Sua personagem não é mais uma "cougar". Como você vê essa mudança na série?

 

A série girava em torno de mim, baseando-se no fato de eu namorar caras mais jovens. Mas acho que eles descobriram que temos personagens tão interessantes. Então, por que trazer um convidado a cada semana, se você não investe no relacionamento desses personagens? Mas, no fundo, somos o mesmo conjunto. Nada mudou. E essa é a melhor coisa. Nossos personagens são muito bons para que a gente não conheça suas vidas e histórias. Foi uma boa decisão. Mas o título continua, porque não tem volta. Pensamos em mudá-lo, mas não nos ocorreu nada incrível.

 

 

Acha que a série pode funcionar com um romance estável?

 

Acho que é apenas uma nova abordagem. Vai funcionar enquanto a gente tiver boas histórias. E é um relacionamento estável, mas envolve duas pessoas instáveis. Grayson não sabe muito bem como ter um relacionamento. E Jules já tinha um filho. Provavelmente ele queria ter filhos. Há um monte de coisas para explorar, lidamos com situações reais.

 

 

Quando se assiste à trama, percebe-se que os personagens na casa dos 40 e poucos são meio adolescentes. E nos cartazes da série, você veste a camiseta "40 é o novo 20". Você acredita nesse lema?

 

Diria que é o novo 30. Mas 20? É uma boa ferramenta de marketing, mas não compre isso.

 

 

Mas você acha que o comportamento das pessoas de 40 está mais adolescente do que antigamente? A série chega a retratar a realidade?

 

Não diria que estamos mais adolescentes, mas eu definitivamente não pareço totalmente sensata nos meus 40 e poucos. Poderia muito bem ter 32, embora meu joelho esteja reclamando. Envelhecer é tão estranho. Não sinto como se estivesse ficando velha até que me olho e percebo que estou.

 

 

Jules casou cedo, teve filho e não aproveitou tudo o que podia em seus 20 e poucos anos. Na sua vida, você fez tudo o que quis ou falta algo?

 

Agora é que estou tentando descobrir as coisas que realmente quero fazer. Não acho que sabia o que queria. Eu meio que fui indo, estou sempre em movimento e só agora estou em um lugar onde eu posso parar e descobrir o que me faz feliz.

 

 

Se pudesse, que conselho você daria a Jules? E que conselho gostaria de ouvir dela?

 

O conselho que preciso ouvir de Jules é apenas: "Vá em frente. Tente algo." Amo a Jules, amo que ela se jogue para o que for. Que conselho eu daria? Talvez, "pare de estar aberta a tudo. O que tem de errado com você?"

 

 

Vocês tomam muito vinho em cena. Alguma vez é verdade? Quando isso virou parte da trama?

 

Sabe, eu gosto de vinho. Isso é inquestionável. Mas Bill (Lawrence) gosta de pegar coisas da nossa vida pessoal e colocar na história, mas ele exagera. Então, sim, eu gosto de vinho; sim, eu posso encher um copo mais do que outras pessoas (risos). E, sim, às vezes, no final do dia, o vinho que bebemos em cena até que é real.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.