EUA aprovam venda de 4.000 corações artificiais ao ano

Uma empresa americana recebeu aprovação federal para vender um máximo de 4.000 corações artificiais ao ano, embora o número de aparelhos implantados deva ser muito menor. Os corações serão usados apenas em pacientes que estão à beira da morte, por falta de opções de tratamento.A Administração de Drogas e Alimentos (FDA), órgão do governo dos EUA responsável por supervisionar o mercado de tratamentos de saúde, concedeu à Abiomed Inc. uma isenção humanitária que permitirá à empresa vender seus serviços, de acordo com a porta-voz da FDA, Susan Bro. O total de implantes esperado a cada ano é de 25 a 50, de acordo com Bro.Até o momento, o coração artificial só foi testado em 14 homens. Dois morreram na operação, e um terceiro jamais recuperou a consciência. Os demais viveram, em média, cinco meses, com uma exceção: um homem viveu 17 meses, até que o coração mecânico se desgastou.A empresa havia informado anteriormente que começaria a implantar os corações artificiais em cinco hospitais dos Estados Unidos, assim que o treinamento dos médicos estivesse completo. Os aparelhos ficam totalmente contidos no peito, sem fios externos.A Abiomed tem como público-alvo homens com falha cardíaca, que são doentes demais para receber transplante, á esgotaram outras opções de tratamento e provavelmente morreriam dentro de 30 dias. O aparelho atual é muito grande para mulheres e para a maioria dos homens.

Agencia Estado,

05 de setembro de 2006 | 16h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.