EUA derrubam satélite e elevam temor de corrida armamentista

China quer informações sobre ação dos EUA e teme pela segurança no espaço; Rússia também criticou operação

BBC,

21 Fevereiro 2008 | 14h00

Rússia e China afirmaram nesta quinta-feira, 21, que a destruição pelos Estados Unidos de um satélite espião defeituoso com a utilização de um míssil pode levar a uma corrida armamentista no espaço.  Veja também:China pede informações sobre destruição de satélite espiãoChina teme destroços de satélite e decreta estado de alertaEUA acertam míssil contra satélite defeituosoO governo americano insiste que a operação de derrubada ocorreu devido a questões de segurança porque o satélite USA 193 perdeu controle pouco depois de seu lançamento, em 2006, e carregava combustível tóxico que poderia ser liberado em uma grande área, colocando em risco a vida de humanos. Mas a China exigiu que os Estados Unidos forneçam todas as informações disponíveis a respeito da destruição do satélite. Um porta-voz do Ministério do Exterior Chinês em Pequim, Liu Jianchao, afirmou que teme o impacto da operação americana na segurança no espaço. "A China continua monitorando o possível dano à segurança no espaço e o possível dano à segurança de outros países", afirmou o porta-voz. "Exigimos que os Estados Unidos cumpram suas obrigações internacionais e esclareçam a comunidade internacional com os dados e informações necessárias para que os países interessados possam tomar as medidas preventivas", acrescentou. A Rússia também criticou a operação, que considerou um pretexto para os Estados Unidos testarem armas de defesa anti-satélite, em resposta a uma demonstração realizada pela China no ano passado. O Ministério do Exterior russo argumenta que outros satélites já se chocaram contra a Terra no passado sem que isso exigisse "medidas extraordinárias".  Críticas americanas  Em 2007, os Estados Unidos criticaram a China quando o governo chinês fez um teste semelhante à operação americana desta quarta-feira, 20, derrubando um satélite meteorológico obsoleto com um míssil balístico terra-ar de médio alcance. Na época, os americanos afirmaram que a ação da China foi uma ação militar deliberada e secreta. Nesta quarta, os Estados Unidos usaram um sistema de armas que é parte de seu programa de defesa de mísseis. Especialistas afirmam que, de qualquer forma, a operação americana desta quarta oferece informações importantes em termos de defesa com mísseis e sobre possíveis operações de destruição de satélites no futuro. O que não ajuda os Estados Unidos é o fato de que o governo de George W. Bush foi contra uma proposta de tratado da Rússia e da China que proibiria o uso de armas no espaço. O governo americano afirma que é a favor do livre uso do espaço, mas é contra a limitação de suas opções militares. Estados Unidos e Rússia já fizeram experiências com armas contra satélites durante a Guerra Fria. Os Estados Unidos chegaram a derrubar um satélite em um teste há 22 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.