EUA lançarão sistema de avisos de emergência aos cidadãos pelo celular

Objetivo é notificar a população em casos de desastres, tornados e mensagens presidenciais urgentes.

BBC Brasil, BBC

11 Maio 2011 | 05h12

O governo dos EUA poderá, em breve, enviar avisos de celular aos cidadãos americanos em casos de emergência ou perigo iminente, informaram autoridades nesta terça-feira.

O novo sistema foi formatado para que autoridades transmitam ao público, rapidamente via celular, informações que "podem salvar suas vidas" - como mensagens urgentes da Casa Branca, notificações sobre tornados e enchentes em determinadas regiões e até alertas sobre crianças desaparecidas.

A correspondente da BBC em Nova York Laura Trevelyan explica que as mensagens de celular poderão ser mesmo em momentos de sobrecarga nos sistemas de telecomunicações - caso, por exemplo, do 11 de Setembro.

Pela tecnologia de GPS, o sistema determinará qual público receberá cada mensagem, caso elas sejam de interesse restrito a determinadas regiões do país.

O sistema de alertas, chamado Personal Localized Alerting Network, ou Plan, funciona com um chip especial instalado em novos celulares. Deverá ser colocado em funcionamento em Nova York e Washington até o final deste ano.

O objetivo é difundir o uso do chip no restante do país para todos os novos celulares ao longo dos anos seguintes.

As mensagens de alerta terão prioridade na entrega aos cidadãos em relação a mensagens e telefonemas comuns.

'Evitar pânico'

O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, que anunciou o lançamento do sistema nesta terça-feira, disse que as autoridades serão cautelosas no envio dos alertas, de forma a evitar disseminar pânico entre a população.

Segundo ele, o serviço não terá nenhum custo para os cidadãos que tiverem o chip especial.

O sistema permitirá que os cidadãos decidam se querem receber mensagens de autoridades locais, mas os avisos vindos da Casa Branca serão obrigatoriamente recebidos por todos. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.