EUA prometem respeitar mar territorial brasileiro

Os Estados Unidos vão respeitar asreivindicações marítimas do Brasil, inclusive nas reservaspetrolíferas de alto-mar, e usarão a sua nova frota na AméricaLatina principalmente para objetivos pacíficos, disse naquinta-feira o comandante dos EUA para a região. O presidente da Agência Nacional do Petróleo, Haroldo Lima,se disse na quarta-feira preocupado com a possibilidade de osEUA contestarem a posse brasileira sobre as enormes reservaspetrolíferas na chamada zona econômica exclusiva. "Os Estados Unidos vão respeitar os mares territoriais e aszonas econômicas exclusivas das nações do mundo", declarou oalmirante James Stavridis, chefe do recém-criado Comando Suldos EUA, a jornalistas em Brasília. A Convenção da ONU sobre a Lei do Mar, de 1994, diz que osEstados litorâneos têm direitos exclusivos sobre todos osrecursos naturais do seu litoral numa faixa de até 200 milhas(370 quilômetros). A Quarta Frota dos EUA, que está sendo recriada pelaMarinha após um hiato de 58 anos, ajudará a combater onarcotráfico na América Latina e no Caribe, disse Stavridis aofinal de uma conferência sobre defesa. Mas isso, segundo ele, não significa uma intensificação nasoperações contra o tráfico. "Não é de forma nenhuma uma forçaofensiva", afirmou. Admitindo que essa frota é "objeto de preocupação" naregião, o almirante disse que ela em geral dará apoio a missõesde paz, prestará auxílio humanitário e participará deexercícios navais. "O maior navio que vai trabalhar para a Quarta Frota é umnavio-hospital", disse Stavridis. O almirante brasileiro Marcos Martins Torres disse que oBrasil não está preocupado com a nova frota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.