EUA vão pressionar por novas sanções contra o Irã

Segundo secretária de Estado, novo relatório sobre programa nuclear justificaria decisão.

Da BBC Brasil, BBC

23 de fevereiro de 2008 | 03h50

A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, disse nesta sexta-feira que os Estados Unidos vão pressionar os membros do Conselho de Segurança da ONU por uma terceira rodada de sanções contra o Irã por causa de seu polêmico programa nuclear.Segundo Rice, um novo relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) divulgado nesta sexta-feira mostra que os esforços do Irã em interromper seu programa de enriquecimento de urânio são "inadequados" e justificariam as novas sanções.O relatório da agência da ONU sobre o programa nuclear do Irã indicou que, apesar de ter fornecido mais informações, o país ainda não colaborou de forma "consistente e completa"."Esse relatório demonstra que, o que quer que os iranianos estejam fazendo para tentar esclarecer alguns elementos do passado, é inadequado, dadas as suas atuais atividades", disse Rice."O que deve preocupar a todos nós... é o futuro no qual o Irã pode começar a aperfeiçoar as tecnologias que podem levar a uma arma nuclear", afirmou.Os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança (Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, China e Rússia) e a Alemanha se reúnem na segunda-feira em Washington para discutir o endurecimento das sanções.O Conselho de Segurança já impôs duas rodadas de sanções contra Teerã.Nesta quinta-feira, a Grã-Bretanha e a França apresentaram uma proposta de resolução que ampliaria o número de empresas iranianas afetadas pelas sanções. A proposta também prevê a imposição de restrições de viagens a alguns funcionários do governo iraniano.LegitimidadeEm seu relatório, a AIEA elogiou o Irã por passar a permitir a presença de inspetores em certas instalações nas quais eles não podiam entrar anteriormente, mas disse que o país ainda mantém uma postura evasiva em algumas questões importantes.Em Teerã, o principal negociador nuclear iraniano, Saeed Jalili, saudou o relatório da AIEA e disse que o documento "é uma nova prova da legitimidade da posição da república islâmica e da realidade das declarações do Irã"."Esse relatório mostrou que nossas atividades são pacíficas", disse Jalili.Os Estados Unidos acusam os iranianos de usar o programa nuclear para tentar desenvolver armamento atômico.O governo iraniano, porém, tem se recusado a interromper o enriquecimento de urânio e afirma que seu programa tem o objetivo exclusivo de gerar energia.O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, havia dito anteriormente que a ONU cometeria um erro grave se aprovasse novas resoluções contra o Irã.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.