Eucalipto para toda obra

Projeto da Esalq/USP testa, diretamente nas propriedades rurais, as espécies de eucalipto adequadas a cada região

Tânia Rabello, O Estado de S.Paulo

09 Julho 2008 | 01h59

Há diversidade no eucalipto. Ao contrário do que muitos possam concluir, ao observar florestas plantadas para produção de celulose e papel, nem só de plantas clonadas sobrevive a eucaliptocultura no País. Para pequenos produtores, aliás, o cultivo de uma espécie só, clonada, pode ser arriscado e limitado quanto ao aproveitamento de todo o potencial do eucalipto, conforme ensina o engenheiro florestal João Dagoberto dos Santos, pesquisador de Sistemas Agroflorestais da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP).Um pequeno produtor pode obter renda do eucalipto em apenas 1 hectare, plantando 9 espécies diferentes da árvore, que se prestam a várias finalidades, como produção de mel, de madeira para energia (carvão e lenha), para construção civil, serraria, movelaria, óleo essencial e celulose, entre outras.Com desbastes a cada quatro anos, o agricultor consegue renda extra com a venda da madeira e, desde o primeiro ano, pode obter algum dinheiro com a instalação de colméias para produção de mel e outros produtos apícolas. Com 20 anos de cultivo, faz-se o corte raso, com a venda das toras para movelaria e outras finalidades mais nobres.Este é, em linhas gerais, o sistema preconizado e idealizado na Esalq, denominado Teste de Uso Múltiplo de Eucalipto, ou, simplesmente, Tume. Formatado pelo professor de Silvicultura do Departamento de Ciências Florestais da instituição, José Luiz Stape, o Tume foi posto em prática em 1996 e hoje conta com cerca de cem experimentos em oito Estados brasileiros. "Temos a maior coleção de eucaliptos do País, com 60 espécies. Não tem lógica essa coleção ficar confinada na universidade; ela tem de estar no quintal do produtor."CLIMA E SOLONos Tumes espalhados pelo País há cerca de 30 espécies sendo usadas. "As nove que comporão cada hectare de Tume são selecionadas conforme o clima e solo da região e a intenção comercial do produtor", explica Stape. "É um teste de uso; o produtor vai cultivar as nove espécies e verificar, ao longo do manejo e da própria vocação dele e da região, quais espécies se adaptam melhor à propriedade."Ao longo dos 20 anos, o produtor se compromete com a universidade a abrir a propriedade à visitação de interessados e tem, em contrapartida, o fornecimento das mudas a preço de custo pela Esalq, a assistência técnica e o acompanhamento gratuito (só é necessário o produtor pagar despesas de transporte, hospedagem e alimentação dos técnicos) e aferimentos do desenvolvimento da floresta.Stape diz que é importante destacar que o eucalipto deve ser visto como "mais uma" opção de renda. "O Tume pode entrar em áreas declivosas e inaproveitadas da propriedade, onde o cultivo de outras espécies é mais custoso ou inviável", ensina.Só para se ter uma idéia, ao fim de 20 anos, sem contar a produção de mel ou de óleos essenciais e os desbastes feitos a cada 4 anos - "A venda da madeira do primeiro desbaste já paga o investimento inicial", diz Stape -, é possível obter 200 árvores por hectare, ou 300 metros cúbicos. "Com o metro cúbico a R$ 80, um hectare rende R$ 24 mil, em média", calcula Stape, acrescentando, porém, que esses valores são apenas "uma idéia", já que variam conforme o manejo dado ao cultivo, sobretudo as despesas com adubação e controle de formigas, a principal praga do eucalipto.O principal, para Stape, é que, ao longo do processo, o produtor verificará a real vocação da propriedade em relação ao eucalipto. "Ao fim do primeiro corte raso ou se o produtor tiver mais área, pode plantar as espécies que se adaptaram melhor ao projeto da propriedade", conclui. 200espécies de eucalipto, de um total de 600, calcula-se que tenham sido introduzidas no País até hoje40espécies de eucalipto têm potencial de produção no Brasil, mas não mais do que 10 são cultivadas em larga escala60espécies de eucalipto é o total de espécies mantidas na coleção da Esalq/USP, a maior do País

Mais conteúdo sobre:
EUCALIPTO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.