Euforia tricolor acaba em confusão

Empolgada com liderança do São Paulo, torcida vai em peso a evento do patrocinador e pega clube de surpresa

Giuliander Carpes, O Estadao de S.Paulo

25 de novembro de 2009 | 00h00

O São Paulo perdeu para o Botafogo (3 a 2), domingo, mas nem isso abalou o seu torcedor, que segue confiante no quarto título brasileiro seguido. Tanto que um dos patrocinadores do clube organizou uma tarde de autógrafos de alguns jogadores em sua loja de artigos esportivos do Morumbi e foi surpreendido. Cerca de 2 mil pessoas, segundo estimativas do clube, apareceram no estádio. Se não fosse a polícia, um tumulto quando os atletas foram embora e deixaram a maioria da massa sem atendimento poderia ter causado ferimentos.

O evento foi anunciado no site oficial do clube para o início da tarde. Meia hora antes já havia uma fila de cerca de mil pessoas no acesso à loja. Hernanes, Jorge Wagner, Washington, Jean, Dagoberto, entre outros tiraram fotos, autografaram camisas, livros e qualquer coisa que lembrasse o clube. Conseguiram satisfazer, no máximo, 300 torcedores antes de se retirarem e a coordenação da segurança do local resolver fechar as portas. Começou o tumulto.

Alguns tentaram abrir a porta de vidro da loja para entrar, mas foram impedidos pelos seguranças. Outros tantos sequer foram autorizados a ingressar no estádio. Os portões de ferro foram fechados, a multidão lá fora se impacientou e começou a forçá-los. A confusão só esfriou quando os policiais puseram uma viatura na entrada do Morumbi.

A maioria dos torcedores que deixou seus afazeres normais saiu frustrada do estádio. Nem chegou a ver seus ídolos. "É uma vergonha! Se era para ser assim, melhor que nem tivesse anunciado", reclamou Maria de Lourdes Alves, que levou os netos Gabriel e Pedro Henrique. "Os meninos faltaram aula para vir e foram maltratados."

Os jogadores nem perceberam a confusão e viram no evento uma das últimas possibilidades de receber o carinho do torcedor, já que correm o risco de não atuar em casa na última rodada - o Superior Tribunal de Justiça julga recurso da punição de perda do mando de campo amanhã. "É muito importante sentir o apoio deles", disse Washington, normalmente criticado pela torcida, mas ontem muito procurado.

O São Paulo pressiona para que os adversários de seus rivais pelo título não escalem times mistos nas duas últimas rodadas. "Isso fortaleceria o argumento do mata-mata. Seria uma pena. É preciso comprometimento com o campeonato", cobrou o técnico Ricardo Gomes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.